Arquivo | Festivais RSS feed for this section

Estreia: O Amante da Rainha

12 fev
Oi, lindezas!

Gente… esse filme do seu Nikolaj Arcel... bah. Ainda sinto os suspiros e pausas na respiração, em grupo, dentro da sala de cinema. É de uma complexidade encantadora.

Nada boba, essa produção dinamarquesa foi indicada ao Oscar de filme estrangeiro. Já no Festival de Berlim 2012, houve duas premiações com os troféus de melhor roteiro (de Arcel e Rasmus Heisterberg) e melhor ator para Mikkel Boe Folsgaard, intérprete do rei Christian VII.




O filme é bastante denso por envolver conflitos, sociais e pessoais nos quais os personagens estão envolvidos, interligados. O período histórico é Idade Média, “Idade das Trevas”. Nesse período a princesa da Inglaterra, Caroline Mathilde (Alicia Vikander) casa-se com o rei da Dinamarca, Christian VII, que é considerado pelos nobres próximos, louco e incapaz de reger o trono que ocupa, tornando-se ali mera peça política. Mads Mikkelsen, que interpreta o médico Johann Struensee, chega na trama para cuidar do rei e suas crises, mas Christian acaba por fazê-lo além de seu médico particular, principal conselheiro. Dados aí os ingredientes para o ”triângulo capenga” que o filme forma. Um rei pouco lúcido, influenciável e por vezes intimidado. O público, no decorrer do longa, acaba por apiedar-se deste. O médico, com “desvio Iluminista”, e Caroline. Esses dois apaixonam-se, seus ideais são bastante próximos, e aqui o embrião da mudança na história da Dinamarca é criado.

seu rei e o médico sedutor



A claridade e escuridão que se intercalam durante o filme, mostraram-se pra mim um reflexo do estado de espírito que em dado momento nos era alçado. A fotografia delicadamente trabalhada para a época, é fascinante. Momentos escuros do filme me lembraram muito outro filme, este francês, de época “O Nome da Rosa”. Mesma época, mesmas referências. Claras referências.

rainha safada e médico seduzindo



A intensidade na reciprocidade de trocas entre Mikkelsen e Vikander é marcante. Isso faz o público compreender a partir de que momento o interesse mútuo inicia. As tiradas do Rei também são dignas de um comentário a parte: elas são refinadamente simples, e isso é o suficiente pra ser a medida de leveza, dentro de um período socialmente instável e em situações pessoais tão particulares, que o filme pedia.

A parte em que ela tem um filho do Seu Dotôr, os exilamentos feat. decapitações e outros detalhes do fim do filme, acho digno de serem assistidos. As relações são postas à prova a cada momento-chave. E são muitos. Sim… são. Desde a relação do rei com sua mãe, passando pelo Conselho da Dinamarca com seu rei, Christian e sua esposa, e dona Caroline e Struensee.  Poder e desejos são elementos fortes aqui.


É um filme longo, mas vale cada minuto na poltrona. Assita, sim?


That’s all folks.


Estamos de volta. 🙂




Por: Bárbara Argenta

De: São Paulo – SP
Email: babi.argenta@gmail.com

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

COLUNA DE PESO: M.O.A. = Mico Open Air

23 abr
(Fonte da imagem: musica.uol.com.br)

Semana passada nesta coluna, falei que o mês de Abril entraria para a história. Disse isso, pois o Lollapalooza havia estreado com sucesso aqui no país e o Metal Open Air maior festival de Heavy Metal da América Latina iria estrear em uma semana, em São Luis (MA).



Estava tudo lindo e maravilhoso até que umas sucessões de fatos começaram a abalar as estruturas da ideia de um Abril histórico por motivos unicamente bons. O “Lolla” mostrou tradição, organização e qualidade, devido à experiência de mais de duas décadas. Já o M.O.A. mostrou exatamente o contrário, infelizmente.


Na última semana várias bandas cancelaram as apresentações no Metal Open Air. Os motivos foram vários. 

A banda Venom cancelou a apresentação, pois o visto do grupo foi extraviado para a África. Porém a maior parte cancelamentos foi por alegações de falta de pagamento cachê, passagens e hospedagem.

Anthrax, Blind Guardian, Saxon, Hangar, Matanza, Ratos de Porão e o Rock n´ Roll All Stars, de Gene Simmons, são apenas alguns exemplos de bandas que não tocaram. Várias notas foram enviadas alegando os motivos de cada grupo, Blind Guardian: “Devido a enormes problemas técnicos e administrativos, fomos forçados a cancelar. Parece que a produção local não tem sido capaz de garantir a estrutura de um festival. No futuro, teremos mais cuidado ao confirmarmos os shows.” Rock n´Roll All Stars: “Fomos informados, antes de voarmos para o Brasil, que muitas outras bandas já cancelaram suas apresentações. Estamos muito preocupados com a segurança de nossos fãs e dos artistas que já estão no festival. Ouvimos relatos de que é o evento é perigoso e um desastre. Por favor, tenham cuidado. Estamos ansiosos para fazer rock com vocês no futuro”.

O público também criticou o evento pela falta de informações para se chegar ao local, a dificuldade em comprar comida e que parte do acampamento foi instalado em um estábulo, por exemplo.  Veja a baixo a repercussão do caso no Jornal Nacional e no Jornal da Globo:

O festival que era para ser composto por três dias de shows, entre sexta-feira (20) a domingo (22), teve o terceiro dia (também) cancelado.

Kléber José Moreira, gerente do Procon de São Luis, em parceria com o Ministério Público, afirmou já ter aberto um processo contra os organizadores do evento.

O pior de tudo é que com esse descaso, amadorismo, e outros tantos defeitos apresentados, o Metal nacional acaba por perder e muito. Se desse certo, o M.O.A. abriria uma grande oportunidade de firmar o Heavy Metal com uma cena forte e respeitável. Imagina se ele fosse itinerante e atravessasse o país a cada edição? Imagina o Brasil tento um grande festival de metal anualmente? Mas isso, praticamente, não saiu do papel. O evento não passou de uma triste miragem.

Os headbangers brasileiros ainda não têm um gigantesco festival de metal como planejado, porém podem se orgulhar de terem um grande público, que ao contrário do que muitos pensam não manifestaram nenhum ato de violência.

Espero que o metal tenha mais espaço e o respeito que merece. Não foi dessa vez, mas um dia terá…

Fontes e mais informações:



Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

COLUNA DE PESO: Abril de 2012 entra para a história!

16 abr

Caro leitor fã de música (mais especificamente Rock e Metal). Este mês entrará para a história, pois estamos vivendo um marco. Tudo porque dois grandes festivais estreiam no Brasil.

O Festival foi realizado na 
Chácara do Jockey em São Paulo (SP).
No último final de semana, ocorreu o Lollapalooza. Festival americano voltado para bandas de rock com pegada alternativa, ou seja, que misturam ao rock elementos diferentes, como os da música eletrônica.

O Festival será realizado em
São Luiz (MA).
Já para o público que gosta de um som mais pesado, estreará na próxima sexta-feira (20) a primeira edição do Metal Open Air. Considerado simplesmente como o maior festival de Metal do mundo depois do – veterano – Wacken Open Air.

E imaginar que há 27 anos a primeira edição do Rock in Rio foi o marco zero na “redescoberta” do nosso país pelas grandes bandas.  Eu tal quais muitos de vocês, provavelmente, não tinha nem nascido em 1985.

Aqueles eram outros tempos em vários aspectos. Um deles era a situação do Brasil. Naquela época o país acabava de sair de uma ditadura de mais de vinte anos. Enquanto que agora vivemos em uma nação mais rica e desenvolvida (mas ainda com muitos problemas, sem dúvida, porém…) na quais artistas internacionais encontram aqui, uma fonte segura de retorno financeiro.  

Espero que estas sejam as primeiras edições do Lollapalooza e do Metal Open Air de muitos que virão. Um verdadeiro turbilhão de emoções em um único mês. O que poderemos ver ao final de Abril é a consagração do Brasil como um país que ama a música e que tem capacidade para portar grandes eventos (com exceção do futebol). 

Abaixo o famoso comediante Charlie Sheen convidado todos a irem ao M.O.A.:

Lollapalooza: “I love Rock n´ Roll”

9 abr
A última vez que o Foo Fighters veio ao Brasil foi na edição do Rock in Rio de 2001.

Neste final de semana, foi realizado a primeira edição do festival Lollapalooza no Brasil.  135 mil pessoas lotaram a Chácara do Jockey em São Paulo/SP para ver as várias de bandas de (indi) rock que tocaram no evento criado por Perry Farrell, vocalista do Jane´s Addiction.

                               PRIMEIRO DIA
                               Sábado, dia 7.
As atrações foram muitas, porém a mais esperada pelo público era o Foo Fighters, que encerrou o primeiro dia do festival. A Banda passa por um momento delicado, pois o vocalista Dave Grohl descobriu que tem um cisto na garganta. Isso fez com que o líder do grupo cantasse com bastante dificuldade.  

Para tentar compensar este problema, Grohl esbanjou carisma, energia e muito esforço ao cantar as músicas, quase gritando todas elas. Na internet, muitos criticaram severamente o desempenho de Dave Grohl, mas os fãs presentes no festival apoiaram a banda, cantando e agitando o show inteiro, além de levarem cartazes com o coro da canção “Best of You”.  Além desta, o Foo Fighters tocou hits como: “Big me”, “Times Like This”, “Long Road to Ruin” e “Everlong”, entre outros.

As outras bandas que antecederam o Fighters, e que merecem destaque são: os nacionais do O Rappa e Marcelo Nova, além das menos conhecidas Band of Horses, Cage the Elephant e TV on the Radio.

Capa do álbum, “I Love Rock n´ Roll”
(1981)

O destaque a parte fica para a apresentação de Joan Jett and the Blackhearts. Jett foi vocalista de uma das primeiras bandas de rock apenas composta por garotas, a The Runaways, nos anos setenta. Do grupo, a experiente roqueira executou o maior hit da antiga banda: “Cherry Bomb”. Após o fim do grupo, ela seguiu em carreira solo e lançou Bad Reputation (1981). A faixa-título do disco, um clássico, foi tocada no Lollapalooza. Ainda no mesmo ano, Joan Jett se juntou com o The Blackhearts e lançaram juntos o álbum mais bem sucedido da cantora: I Love Rock n´ Roll. O disco vendeu mais de 10 milhões de cópias. O hino eternizado por Jett, “I Love Rock n´ Roll”, é uma composição do grupo The Arrows.

  


                                                                      SEGUNDO DIA
                                                                     Domingo, dia 8.
No segundo dia, houve a apresentação do som dançante do Friendly Fires, além de Foster the People e MGMT. Todas com um som moderno que mistura as melodias do rock com as batidas da música eletrônica.


O criador do festival, Perry Farrell se apresentou com o Jane´s Addiction no final do dia, porém o grupo recebeu uma recepção bastante “fria”. Parece que o público, a maioria jovens, estava realmente mais interessado nas bandas novas. 


Fechando o palco principal do Lollapalooza, o Arctic Monkeys, banda mais esperada do domingo. Alex Turner, vocalista, é considerado por críticos como um dos melhores front-mens dos últimos tempos no rock. 



O evento foi um sucesso com pessoas vindo de outros estados e até países. Com isso, o público aguarda ansiosamente pela volta do festival o mais rápido do possível. 

Público curtindo o Lollapalooza em baixo de chuva. (Foto: Flávio Moraes/G1)


Charlie Sheen virá ao Brasil

5 mar
O polêmico comediante, Charlie Sheen,
estará no Metal Open Air.

O comediante americano Charlie Sheen, o eterno Charlie Harper da série Two and Half Men, virá ao nosso país em breve por um motivo especial, o Metal Open Air.
A assessoria do evento confirmou esta semana que o ator será o mestre de cerimônia do festival. Ele apresentará o supergrupo Rock N Roll All Stars, que tem como integrantes, por exemplo: Gene Simmons (KISS), Matt Sorum (Velvet Underground, ex-Guns n´ Roses), Joe Elliot (Def Leppard) e Sebbastian Bach (ex-Skid Row), entre outros. Segundo nota enviada a imprensa pela a organização do festival: “Para apresentar uma constelação como essa, é impossível pensar em outro rockstar de Hollywood: o ator norte-americano Charlie Sheen”.  


Com a confirmação desta superbanda esta semana, o line-up do MOA internacional está completo. As 40 bandas que tocarão no Metal Open Air em Abril nos dias 20, 21 e 22, em São Luiz – MA, são as nacionais: Torture Squad, Hangar, Headhunter D.C., Shaman, Almah, Obskure, Drowned, Ânsia de Vômito, Andre Matos, Dark Avenger, Korzus, Stress, Shadowside, Terra Prima, Ácido, Unearthly, Expose Your Hate, Matanza, Motorocker, Semblant, Attomica, Megahertz e Ratos de Porão.
As 20 bandas estrangeiras confirmadas são: Exodus (EUA), Megadeth (EUA), Anvil (CAN), Symphony X (EUA), Grave Digger (ALE), Destruction (ALE), Exciter (CAN), Orphaned Land (ISR), Anthrax (EUA), Legion of the Damned (HOL), U.D.O. (ALE), Blind Guardian (ALE), GleenHughes (ING), Rock N Roll All Stars (EUA), Otep (EUA), Obituary (EUA), FearFactory (EUA), Annihilator (CAN), Saxon (ING), Dio Disciples e Venom (ING).

Faltam 46 dias para o maior festival de Metal da América Latina.
Para mais informações acesse o site do MOA: http://metalopenair.com/pt/.
Veja abaixo um vídeo montagem com os integrantes que compõem o grupo Rock ‘N’ Roll All Stars:

SWEDEN ROCK FESTIVAL: Heavy Metal em terra vinking!

27 fev
O frio da Suécia parece não desanimar a ida de inúmeros headbangers, todos os anos, para o maior festival de rock e metal deste país nórdico, o Sweden Rock Festival, que é realizado anualmente desde 1992.
Cartaz da edição de 2012.
A exemplo do Wacken Open Air, maior festival de Heavy Metal do mundo que é realizado anualmente na Alemanha, uma das características do Sweden é a grande variedade de bandas dos mais diferentes subgêneros. Têm Hard Rock, Grunge, Heavy Metal, Black Metal, Power Metal entre outros.
Line-up de 2012 traz como headliners Mötley Crüe, Soundgarden, The Darkness e o Motörhead, além de Sebastian Bach, Dimmu Borgir, Gotthard, Edguy e SteelPanther e muitas outras. A lista completa é grande e você pode conferi-la aqui.
Uma das novidades do festival a partir deste ano é que foi liberado o uso de câmeras fotográficas e filmadoras dentro da área do Festival.
Faltam exatos 100 dias para a realização da 21ª edição do Sweden Rock Festival. Ele será realizado entre os dias 6 a 9 de Junho, em Solvesborg (SUE).
Abaixo um trecho da apresentação da banda Sataton que tocou no Sweden de 2010 e que tocará novamente este ano:

O destaque especial vai para a banda inglesa The Darkness que voltou à ativa no ano passado, além da sempre divertida Steel Panther, que parodia as bandas de Hard Rock/Glam Metal dos anos 80/90:

Abaixo a multidão que contempla o festival, além da localidade de Solvesborg no mapa suéco:
O grande público.
Mapa da Suécia com a cidade de Solvesborg
em destaque.

O ROCK IN RIO 5 já começou!

19 fev
A quinta edição do Rock in Rio será realizada somente em Setembro do ano que vem, porém a produção do evento já começou a anunciá-lo. Nesta última quarta-feira (15), foram confirmadas as primeiras atrações, que são as bandas Sepultura e Tambores du Bronx (FRA).
Para registrar o início da produção do festival, foi gravado no Rio de Janeiro o futuro primeiro vídeo promocional. E para as filmagens foram utilizadas as duas primeiras bandas confirmadas para a próxima edição do Rock in Rio aqui no Brasil.
Sepultura, formação de 2011.
A dobradinha entre os brasileiros e o grupo francês não é novidade, pois na edição ocorrida no último ano, esta parceria fez um enorme sucesso no palco Sunset, que era o secundário do evento. Porém, em 2013, ambos abrirão o já conhecido “Dia do Metal” (que é a data dedicada para as bandas de vertentes do Heavy Metal), no palco Mundo, o principal.
A seguir a reportagem exibida pelo Jornal Globo na última quarta a respeito do assunto:
Um trecho da apresentação do Sepultura com o Tambores du Bronx, com a participação de Maki Patton, vocalista da banda Faith No More na quarta edição do Rock in Rio pode ser visto aqui: