Arquivo | fim do mundo RSS feed for this section

5 livros para ler após sobreviver ao fim do mundo

27 dez
Enquanto algumas famílias compravam casas subterrâneas por US$ 80 mil que resistiriam até a bombas nucleares, nós estávamos aqui esperando o temido Plantão da Globo nos avisar de alguma catástrofe em qualquer parte do planeta no dia 21 de dezembro de 2012. Algum terremoto, o chão se abrindo, ondas gigantescas, alienígenas fazendo uma visita a nós, nevasca em São Paulo ou o Latino voltar ao Youtube.


Bem… Se você está lendo esse post, é porque não esteve (ainda) com o pé na cova!

Logo, não foi desta vez que tudo acabou. E como vitoriosos a mais uma profecia do término dos tempos, aqui vai uma lista de cinco livros inspiradores para ler após “sobreviver” ao fim do mundo.

 

 1) “Eu Sou a Lenda”, Richard Matheson (1954)
Acredito que o primeiro pensamento a rodear nossas mentes ao lermos esse título é… “Will Smith”. Isso porque o cinema já lançou três diferentes adaptações da obra, tamanho foi o sucesso da mesma!
Nova York é o plano de fundo dessa ficção científica que narra a história do único sobrevivente a uma epidemia viral. Todos os humanos afetados pelo vírus se transformam em seres semelhantes a vampiros (vampiros cruéis, longe de se espelharem em Crepúsculo); e, assim, o homem traça a luta pela própria vida para, sozinho, salvar sua espécie.
Confira um trechinho aí de “Eu Sou a Lenda”, que neste ano foi consagrado como O Melhor Romance Sobre Vampiros do Século pela Horror Writers Association:
 “Ele se deitou na cama e respirou a escuridão, torcendo para conseguir dormir. Mas o silêncio não ajudou muito. Ele ainda podia vê-los lá fora, os homens de rosto branco rondando sua casa, incessantemente procurando um jeito de entrar e chegar até ele. Alguns deles, provavelmente, agachados como cães, os olhos vidrados na casa, os dentes se mexendo devagar; indo e vindo, indo e vindo.”
2) “O Último Homem”, Mary Shelley (1826)
Escrito no século XIX, o livro avança no futuro e retrata o ano de 2100 aos olhos da mesma autora de “Frankenstein”.  Filho de uma nobre família que se afundou na pobreza, a trama conta a trajetória de Lionel Verney, o único a sobreviver a uma maldição que, aos poucos, destruiu a humanidade por meio de uma terrível guerra.
A tensão do livro já se inicia na introdução, feita a partir do relato de um autor desconhecido. Este diz respeito a um manuscrito encontrado em uma caverna, que seria escrito por uma sacerdotisa de Apolo, prevendo acontecimentos que destruirão o mundo em dois séculos posteriores (encaixe uma risada maléfica aqui).


3) “Ensaio Sobre a Cegueira”, José Saramago (1995)

Ok, neste livro o mundo não acaba. Famosa obra do querido autor português vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, a narrativa se desenrola quando um motorista parado no sinal vermelho do semáforo percebe-se cego. Isso porque o protagonista fora atingido por uma epidemia de cegueira que transformou a vida de todos em um caos.
Olha aí um pedacinho dessa descoberta que envolve todo o livro:
“Num movimento rápido, o que estava à vista desapareceu atrás dos punhos fechados do homem. (…) Estou cego, estou cego, repetia com desespero enquanto o ajudavam a sair do carro, e as lágrimas, rompendo, tomaram mais brilhantes os olhos que ele dizia estarem mortos.”
4) “O Pequeno Príncipe”, Saint-Exupéry (2006, 48ª edição)
Vamos fugir das epidemias e catástrofes agora. “O Pequeno Príncipe” é um clássico que já ultrapassa a marca de 6 milhões de exemplares vendidos.
O livro conta a história de um príncipe que surgiu do asteróide B612 e é encontrado pelo alter ego do autor da obra. O escritor conta ao pequeno sobre a pane de seu avião que o fez cair em pleno deserto do Saara e, a partir daí, o príncipe pede ao escritor que faça desenhos para ele a fim de demonstrar seu planeta.
Assim, a obra nos faz mergulhar em um mundo imaginário em que refletimos questões da vida real.
Recortei aqui uma famosa frase do livro:
“Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.”
5) “Jogos Vorazes”, Suzanne Collins (2010)
Este é o primeiro livro de uma trilogia que fez tanto sucesso que até estourou em bilheterias pelo mundo com sua versão cinematográfica.
A trama acontece em Panem, uma nação formada por cerca de 12 distritos e comandada pela Capital, sede do governo. Diante ao país carente, a Capital demonstra seu poder com uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão: os chamados Jogos Vorazes. Um casal de adolescentes de cada distrito é selecionado e obrigado a lutar até a morte nestes jogos. O vencedor terá fama e fortuna. Todos os demais, morrem.
Para evitar que sua irmã mais nova seja vítima do cruel programa, a jovem Katniss se oferece em seu lugar. Para ganhar a luta, é preciso mais do que habilidade. O que cada jogador está disposto a fazer para ser o vitorioso? É em busca da resposta que a incrível narrativa se desenrola.

Por: Tatiane Gonsales
De: São Paulo – SP
Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

Cinco coisas para você fazer na internet antes que o mundo acabe

20 dez
Adeus mundo velho, feliz mundo novNÃO PERA, confundi fim de ano com o fim do mundo e o mundo termina amanhã, amigos. Coloca uma roupinha branca e curta o reveillon maia!


Chega de baixar série! 
Chega de stalkear aquela pessoa que nem sabe que você existe! 
Chega de assistir pornô!


Eu até diria para vocês correrem e fazerem alguma coisa super impulsiva, como por exemplo: sair pelado na rua, cantar uma música romântica na janela da pessoa que você ama, ir para a balada de vestido e sem calcinha (tb serve para homens) ou então gritar uma verdade na janela da sua casa, do tipo: “EU ODEIO VOCÊS, VIZINHOS FILHOS DA PUTA!!”. Mas como eu sei que vocês são sedentários, fora de forma, não amam ninguém e adoram os vizinhos segue a lista do TOP FIVE COISAS PARA SE FAZER NA INTERNET ANTES QUE O MUNDO ACABE

1) Visite aquele perfil que você mantém numa rede social e não entra faz 1000 anos.

Quem nunca recebeu aquele scrap na quinta feira que era um gif dizendo “Bom início de semana”, ou então se sentiu o melhor amigo de infância do artista porque ele te aceitou no Myspace. Visitar uma rede social antiga que você não usa mais está para a internet  assim  como visitar aquela tia que você  nunca mais viu está para a vida real, ou seja, É MUITO AMOR. Também vale Therwords.me, Piche.me, Formspring que cresceu e virou Ask. Uma vez a moda era ter perfis em todas as redes sociais possíveis, né? ENFIM VISITEM VAMOS FALAR DE OUTRA COISA



 2) Poste uma foto sua feia


Internet vem do latim, “in” quer dizer viver e “ternet” que significa pose, logo, internet é” viver de pose”. Parem de querer bancar a Paris Hilton do bairro online, ainda há tempo. Tire uma foto aparecendo o reboco  da casa, sem maquiagem, cabelo desarrumado, sem photoshop (O MUNDO PRECISA SABER QUE VOCÊ TEM ESPINHAS). Se você já faz isso, está permitido ser lindo uma vez.




3) Auto stalk pesado.


Já diria a sábia:

“O facebook é uma farsa. No status aparece “no que

você está pensando?” mas eu nunca vi alguém

postar: em mim.” ENDREFFY, Fernanda.

Não dá para entender uma sociedade onde as pessoas vivem pensando nelas mesmas, mas na hora de cuidar da própria vida, cuidam da dos outros.
Está permitido se auto stalkear, ver comentários de pessoas que você nem tem mais no facebook, dar risada das fotos que aquele amigo ainda tem DE 2010 e q você está marcado! (SOCORRO) Quem sabe você não coloca uma trilha fazendo tudo isso! Eu pensei NESSA. Pode chorar. 



Apenas.



5) Log Out.


Desliga esse computador porque amanhã você tem que trabalhar, se não trabalha aproveita e entra num site de uma agência de emprego e arruma um emprego, vai comprar o peru da ceia de natal, pega o livro de receitas da sua vó e aprenda a fazer pudim de leite condensado, ou então,  vai dormir, ou quem sabe criar vergonha na cara também muito bom.

 Ao findar deste texto queria citar uma música que nos passa uma mensagem muito linda em relação ao fim do mundo, gosto muito dela e queria compartilhar:

“Oooôôô  oooôôô  oooôôô oooôôô” Britney Spears – Till the world ends.


BJAS. 

Por: Cassiano Brezolla
De: Caxias do Sul – Rio Grande do Sul
Email: contato@revistadriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉