Arquivo | informações RSS feed for this section

Conexão Dublin: Violência na Irlanda

22 dez
Gatos brincando – ou brigando?
Para dar uma aliviada no assunto – que o nome já diz tudo: violência – decidi colocar a foto de dois gatinhos lindíssimos brincando, eu acho. 

Uma das coisas que mais me impulsionou a fazer esta viagem foi exatamente a violência em São Paulo, minha cidade natal. Uma semana após a virada do ano novo 2011-2012, fui roubada a uma quadra de casa. Lembro que tinha acabado de buscar minhas lentes de contato – de grau – quando dois indivíduos em uma moto encostaram na minha mãe e dizendo que era para entregar tudo. Era uma noite chuvosa, ou seja, não havia ninguém na rua a não ser nós quatro. Desde aquele dia, não conseguia mais andar tranquilamente, que fosse sozinha ou acompanhada.

Pois bem! Assim que cheguei em Dublin, logo estranhei ver as pessoas andando com suas máquinas fotográficas penduradas no pescoço ou na mão. E quando digo câmera, não é aquela ralezinha não! Cansei de ver Nikon e Canon simplesmente à mostra. Bom, até ai tudo bem! E quando voltei da minha primeira baladinha a pé – ás 3 ou 4 horas da madrugada? Vim com o fiofó na mão, confesso. Outra coisa que estranho até hoje são os caixas eletrônicos. Eles ficam ao ar livre, seja ao lado de um mercado ou do banco. Dependendo da localização, forma-se até fila atrás da pessoa, coisa de centímetros de distância. Sim, a pessoa pode ver a quantia que você saca e só! Não ouvi relatos de roubos envolvendo esta situação até agora então pelo visto, aqui funciona. 


Simples assim!!!
Quanto a armas de fogo, sei que nem os policias daqui, chamados de GARDA, podem usar. Pois é, o bicho é mais em baixo quando se trata disso. Acredito que nós, estrangeiros ou não, devemos nos preocupar mais com os grupos que não são tão amorosos com os turistas – chamados vulgarmente de “knackers” – do que assalto a mão armada. Como eles odeiam este apelido pois o significado literal é abatedor de animais velhos, apelidei-os de nanás. Uma palavra que pode ajudar a descrevê-los melhor é diversão. Eles não estão ligando para ninguém, só querem saber de tirar um sarro com os outros. Infelizmente a maioria dos alvos são os gringos. O que geralmente acontece é uma guerra de ovos – ecaaaaa – ou bexiga d’água. Enfim, esse tipo de zoação. Lógico que, de vez em quando, alguns saem na mão, mas é simplesmente ignorá-los. Uma vez, um cara que estava em um grupo grande veio me pedir um cigarro, mas ai só sinalizei um “não” com a cabeça e apertei o passo.

Ultimamente também tenho lido muitos comentários no grupo do Facebook a respeito de batedores de carteira. A pessoa tá distraída e quando vê, a bolsa já está aberta e sem um ou dois acessórios. Também ouvi sobre o mesmo assunto que alguns brasileiros estão entrando nessa onda aqui, mas até ai são apenas boatos. O fato é que não dá para bobiar em nenhum lugar do mundo: seja no Brasil, na Europa ou na PQP!!! Brincadeiras e trocadilhos a parte, vale lembrar que nenhum lugar é 100% seguro. Então evite descuidos como andar sozinho na rua altas horas da madrugada ou com a bolsa de um modo que qualquer um pode pegar.

😉

Por: Mariana Perez
De: Dublin – Ireland
Email: mariana@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

Anúncios

Conexão Dublin: Curiosidades – Parte 2

18 out
Ponte Ha’Penny com seus inúmeros cadeados
Opa! Hoje finalizo as curiosidades com a segunda parte, mas nada impede que eu escreva sobre isto mais pra frente. Afinal, cada dia que passa, descubro algo novo e diferente aqui…

E lá vamos nós:

11 – Diferente de São Paulo, cidade onde morava, a vida noturna de Dublin tem hora de encerramento: 03:00 da madrugada. Com exceção de algumas lanchonetes 24 horas, a maioria dos pubs e baladas fecham exatamente às três da matina. Até me acostumar com isso, demorou um pouco… 

12 – Dublin possui várias pontes que ligam o lado norte ao sul, mas destaco a Ha’Penny Bridge. O nome é uma abreviação de “half a penny”, pois era cobrado meio penny para a travessia. À noite, o visual da ponte é maravilhoso e mega romântico. Se olhar com atenção, verá vários cadeados pendurados na Ha’Penny Bridge. Casais que querem selam o amor, escrevem seus nomes nos cadeados e os colocam nesta ponte. 

13 – Não há cobras aqui na Irlanda! Segundo a lenda, o Santo Patrício – ou Saint Patrick – teria expulsado todas elas, conduzindo-as até o topo de uma colina e fazendo-as cair no mar. A verdade é que, como a Irlanda é uma ilha, as cobras nunca chegaram aqui. Para vê-las, só se for no zoológico ou coleção particular.

14 – O contato com a natureza é constante. Basta ir ao parque e dar de cara com esta criatura lindíssima e fofa chamada esquilo. Poxa, como são bonitinhos pessoalmente. Além dos esquilos, é comum encontrar raposa atravessando a rua aqui em Dublin – em uma dessas madrugadas voltando do pub, quase morri de tanto susto quando vi uma delas correndo para o outro lado da rua. 

Coisinha mais fofinha *–*
15 – A Irlanda possui dois idiomas oficiais: o inglês e o gaélico – ou irish. Apesar de ser difícil encontrar alguém conversando em gaélico, os irlandeses aprendem o idioma desde crianças, na escola. 

16 – Beber álcool na rua? Nem pensar! Se a polícia te pegar com um gorozinho aqui, pode dar uma encrenca das feias, até ser preso. Mesmo assim, ainda vejo alguns corajosos bebendo cerveja nos parques ou nas ruas.

17 – Conheça o momumento Spire, localizado na O’Connell Street. O Spire – ou Spike, como alguns chamam – tem o formato de uma agulha e tem 120 metros de altura. Como está localizado bem no centro da cidade, o monumento vira um ótimo ponto de referência.

Spire visto da base para a ponta
18 – Aqui os mercados não tem sacolinhas plásticas gratuitas. Ou o pessoal traz alguma bag ecológica ou compra sacolas nos mercados. Cansei de ir para casa com leite, sucrilhos e até papel higiênico na mão. Isso é normal para eles!

19 – A Sexta-feira santa- chamada de Good Friday – é o único dia do ano em que não se pode vender bebida alcoólica no país. Como trabalho em um pub, menos um dia sem work =/


20 – Há uma joia típica irlandesa, um anel chamado Claddagh. As mãos indicam amizade, o coração simboliza o amor e a coroa representa a lealdade. Geralmente é usado como anel de casamento, mas também é possível achar o símbolo em brincos, pulseiras e colares.


O lindo anel Claddagh


E ai, o que achou da Irlanda? Consegui matar um pouco da curiosidade? 😉

Por: Mariana Perez
De: Dublin – Ireland
Email: mariana@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

Conexão Dublin: Curiosidades – Parte 1

11 out
Rio Liffey
foto: banco de imagens

Opa!

Hoje venho para falar sobre aquilo que QUASE nos mata! Não, não é a fome e sim a CURIOSIDADE! Desde que cheguei aqui, a ideia de um post sobre os atrativos irlandeses vem dominando minha cabeça. Além de ser mega interessante, também pode ajudar futuros intercambistas. 

Como estou morando aqui a mais de 2 meses, acredito que posso falar bem sobre algumas coisas e outras nem tanto. Na medida do possível, claro. O que vocês tiverem dúvidas, por favor, só deixar um recadinho aqui na página que procuro me informar e explicar melhor para vocês.

1 – Começo falando sobre o fuso horário. A diferença normal é de 3 horas. Porém, quando a Irlanda está no horário de verão – que acaba dia 28 deste mês – a diferença aumenta uma hora. E, quando o Brasil entra no horário de verão, são apenas 2 horas que “distanciam” estes dois países. 

2 – Seguindo esta mesma linha de raciocínio, no verão o sol demora para se por. Cheguei aqui no final de Julho e a noite só escurecia às 23h. Já no inverno, o sol vai embora mais rápido. Me falaram que às 9h o céu fica claro e ás 16h já está tudo escuro. =x

3 – Aqui na Irlanda, os motoristas dirigem do lado direito do automóvel e do lado esquerdo da rua – assim como na Inglaterra. No começo, quase fui atropelada por causa disso – mãe, eu  disse QUASE = isto significa que eu não fui, ok? 😉

4 – Quanto ao meio de transporte, você pode optar pelos ônibus – de dois andares *–*, pelo LUAS – trem elétrico que circula nas ruas de Dublin, trem – que liga a outras cidades da Irlanda ou bikes – aqui o pessoal respeita os ciclistas.

Luas na rua de Dublin
imagem: site Brasileire
5 – Não há conta de água para residências – ebaaa, meu bolso comemora!!! Apenas as empresas pagam pelo fornecimento do recurso, o que não muda o fato de evitar desperdício né!!!

6 – Informação inicialmente besta, mas muito importante para quem gosta de doces: até agora não vi formigas nas casas. É possível deixar bolo em cima do balcão da cozinha que no dia seguinte ele ainda está inteiro!!!

7 – Gaivota aqui em Dublin é igual pomba na Praça da Sé, em São Paulo. Tem todo o lugar!!! As aves até que são bonitinhas, mas fazem um barulho de manhã que tá loco!!! ;p


Pegue o pombo… ou melhor, a gaivota!!! Foto do dia em que conheci o lindo do Colin Farrell
8 – Remédio sem receita? Nem pensar, meu caro!!! Aqui eles são bastante metódicos nesta parte – o que acho completamente certo. Se passou mal, terá que ir ao doctor só para pegar um remedinho básico!

9 – Percebi que muitas mulheres possuem filhos ainda na “flor da idade”, com seus 20 e poucos anos. O governo irlandês paga um benefício para cada pequenino, até ele completar 18 anos. 

10 – Aqui em Dublin não há CEP. A cidade é dividida pelo rio Liffey, ou seja, a parte norte da cidade possui código postal ímpar (exemplo Dublin 3, Dublin 5 e Dublin 1) e a parte sul tem números pares.

Ps: próxima semana, tem a segunda parte com mais curiosidades!!!  Não percam!!!  😉

Por: Mariana Perez
De: Dublin – Irlanda
Email: mariana@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉