Arquivo | Lei RSS feed for this section

Eles não sabem o que dizem! Política vs Publicidade

4 abr

Olá você, cidadão de bem, que é todo ferrado na vida, mas nem culpa a publicidade por isso, quer dizer, vocês são crescidinhos, deviam ser responsáveis pelos seus atos de insanidade.

Já ouviram falar num semi-deputado, com fogo na perseguida, que quer PROIBIR a publicidade de usar edição de imagem em suas peças?! Não só a edição de imagem, mas qualquer propaganda que traga uma imagem não totalmente condizente com a realidade.

Imagina que merda se nós tivéssemos que conviver com a feia realidade da vida, até na publicidade impressa?!

Imagina o rumo das gigantes dos cosméticos, ao retratarem em suas peças que seus trecos emperiquitadores não funcionam.

Imagina o destino de grandes empresas alimentícias que se valem da venda de um conceito mentiroso pra sobreviverem!!

PENSA NO MC Donald’s!


A imagem de um lanche todo montado na perfeição do mock-up (técnica que reproduz o produto com perfeição, utilizando materiais diversos, a fim de “interesses mercadológicos”), com pessoas felizes, sorrindo como se a vida girasse em torno de um hambúrguer, vendendo um conceito de felicidade múltipla pra você, amigos e família…

Ou ainda, as declarações de amor em prol da beleza da vida dentro do fast food da paixão.









Sabemos que se trata de um amor superficial, por pura aparência, interesse, típico amor de antagonista de novela mexicana. Sem a manipulação de imagem, talvez não existisse sentimento tão puro.







Ou ainda, a realidade poderia despedaçar um relacionamento tão bonito, e cuidadosamente construido.







QUE CONCEITO QUE ISSO VENDE?!

Amo muito doenças venéreas advindas de gorilas,

é o mais singelo slogan que uma campanha contendo uma imagem assim poderia ter.

. . .

Mas quem foi o gênio que trouxe esse projeto de lei à tona?

Francisco Araújo é o nome do deputado acima da média, formado em direito pela universidade bandeirantes, ex escriturário, ex delegado de polícia, ex escrivão criminal e ex garimpeiro (sério), que por ter tantas experiências na área de formação de identidade de marca entende tudo de comunicação, e artes visuais.

O outro autor (de uma lei parecida com essa, porém menos rigorosa, que permite a veiculação de alguns anúncios desde que inserido um aviso sobre a veracidade da mensagem transmitida) é o deputado Wladimir Costa, esse já mais brincalhão, faltou em 22 das 55 sessões deliberativas, deixando 30% dessas faltas sem justificativa alguma, liderando assim o ranking dos mais faltosos deputados no 1º semestre de 2011. É réu em três ações penais no Supremo Tribunal Federal, duas delas por crime de imprensa, que envolvem calúnia, injúria e difamação. A outra investigação apura a denúncia de peculato.

Acreditem, tem mais coisas, só que nem é o intuito do post.

Por fim, só mais inutilidades geradas por pessoas que nem cumprem seu dever corretamente, e querem mostrar serviços bicando onde não lhes convém.

As opiniões que esse tema gera são diversas, em Israel já proibiram a veiculação de propagandas que utilizassem modelos magérrimas (sem photoshop, só magra mesmo) alegando que uma série de distúrbios alimentares podem ser evitados se mudarmos os padrões de beleza esquelética das passarelas… até concordo, é bem extremista e injusto esse mundo da moda, mas voltando as edições de imagens, não podemos negar que se faz necessária, alavanca vendas, gera empregos, e já é cultural dentro do nosso capitalismo de cada dia, sem contar que ninguém morre de goiabinha bonita.

Abaixo, algumas imagens de produtos que se dependessem da realidade pra vender, teriam problemas sérissimos no RH.


The Fim.