Arquivo | Livros RSS feed for this section

Livros morrerão ou não? Eis a questão

6 fev
E agora?!
Eram cerca de cem manuscritos que compunham a biblioteca da Universidade de Cambridge em 1427. Sim, apenas cem livros, mas que eram comercializados com valores que se assemelhariam à venda de casas de luxos. De repente, Gutenberg revoluciona o universo dos livros com a prensa móvel: assim, torna-se possível fazer muitíssimas cópias de uma mesma obra no tempo em que um monge levava para terminar um só manuscrito.

Só que… esta revolução acabou. E seu fim se deu justamente por uma nova borracha na história do impresso: o avanço do digital – que veio acompanhado da nossa amada internet. Hoje, com o advento dos tablets e smartphones, o número de indivíduos que trocam o jornal, por exemplo, por um aplicativo online aumenta gradativamente.
Contudo, aconteceu o que ninguém aguardava em relação à comercialização de livros: nada. Isso mesmo. A venda de livros não sofreu um arranhão diante da ascensão do mundo virtual. Muito pelo contrário. Depois do poderoso-chefão Google, o grande negócio online é a Amazon, site varejista que iniciou seu comércio como uma espécie de livraria – e ganhou sua versão brasileira em dezembro de 2012, versão esta que oferece, até então, apenas livros digitais E então nos perguntamos: por que os livros não morreram com toda essa tecnologia invadindo seu espaço?
A resposta é simples: ainda são poucas as pessoas que gostam de ler um livro inteiro – ou conseguem – na tela de um computador ou aparelho móvel. Parece que a melhor tecnologia à leitura profunda é o modo arcaico do papel branco com letras pretas. Sem contar que aqueles que gostam de ler sentem um afeto físico pelos livros. Afinal, curtimos tocá-los, virar as páginas e ver uma estante cheia. É como um fetiche.
Mas até quando isso durará? O grande medo de alguns e desejos de outros é de que surja algo que venha a substituir a atividade de ler livros. Assim como o DVD extinguiu o VSH e o CD, a fita-cassete; e hoje ambos geram dúvidas quanto ao tempo de vida que ainda terão.
É aí que lançam o famoso Kindle, da Amazon, em 2007. Você adquire um aparelho e baixa qualquer livro de um catálogo de milhares e milhares de títulos. Não é fantástico poder ler mais de duas mil obras em um objeto móvel de 400 gramas? Sim e não. O Kindle não é sensível ao toque. Torna-se chato apertar botões para trocar de página. Então chega o iPad, da Apple, para curar este problema. Mas não. O iPad não substituirá os livros. Isso porque sua tela de LCD faz com que seus olhos implorem por descanso longe da luz emitida pela tela e, portanto, será difícil – eu diria, por experiência, impossível – ler um livro todo.
Se alguma empresa conseguirá unir o que há de melhor na leitura de livros e de aparelhos móveis? Já tem gente trabalhando nisso, mas aguardaremos para saber a resposta. Enquanto isso, prefiro caçar blocos de caracteres jogados em papel, deitar em minha cama e mergulhar em uma boa leitura.



Por: Tatiane Gonsales
De: São Paulo – SP

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

5 livros para ler após sobreviver ao fim do mundo

27 dez
Enquanto algumas famílias compravam casas subterrâneas por US$ 80 mil que resistiriam até a bombas nucleares, nós estávamos aqui esperando o temido Plantão da Globo nos avisar de alguma catástrofe em qualquer parte do planeta no dia 21 de dezembro de 2012. Algum terremoto, o chão se abrindo, ondas gigantescas, alienígenas fazendo uma visita a nós, nevasca em São Paulo ou o Latino voltar ao Youtube.


Bem… Se você está lendo esse post, é porque não esteve (ainda) com o pé na cova!

Logo, não foi desta vez que tudo acabou. E como vitoriosos a mais uma profecia do término dos tempos, aqui vai uma lista de cinco livros inspiradores para ler após “sobreviver” ao fim do mundo.

 

 1) “Eu Sou a Lenda”, Richard Matheson (1954)
Acredito que o primeiro pensamento a rodear nossas mentes ao lermos esse título é… “Will Smith”. Isso porque o cinema já lançou três diferentes adaptações da obra, tamanho foi o sucesso da mesma!
Nova York é o plano de fundo dessa ficção científica que narra a história do único sobrevivente a uma epidemia viral. Todos os humanos afetados pelo vírus se transformam em seres semelhantes a vampiros (vampiros cruéis, longe de se espelharem em Crepúsculo); e, assim, o homem traça a luta pela própria vida para, sozinho, salvar sua espécie.
Confira um trechinho aí de “Eu Sou a Lenda”, que neste ano foi consagrado como O Melhor Romance Sobre Vampiros do Século pela Horror Writers Association:
 “Ele se deitou na cama e respirou a escuridão, torcendo para conseguir dormir. Mas o silêncio não ajudou muito. Ele ainda podia vê-los lá fora, os homens de rosto branco rondando sua casa, incessantemente procurando um jeito de entrar e chegar até ele. Alguns deles, provavelmente, agachados como cães, os olhos vidrados na casa, os dentes se mexendo devagar; indo e vindo, indo e vindo.”
2) “O Último Homem”, Mary Shelley (1826)
Escrito no século XIX, o livro avança no futuro e retrata o ano de 2100 aos olhos da mesma autora de “Frankenstein”.  Filho de uma nobre família que se afundou na pobreza, a trama conta a trajetória de Lionel Verney, o único a sobreviver a uma maldição que, aos poucos, destruiu a humanidade por meio de uma terrível guerra.
A tensão do livro já se inicia na introdução, feita a partir do relato de um autor desconhecido. Este diz respeito a um manuscrito encontrado em uma caverna, que seria escrito por uma sacerdotisa de Apolo, prevendo acontecimentos que destruirão o mundo em dois séculos posteriores (encaixe uma risada maléfica aqui).


3) “Ensaio Sobre a Cegueira”, José Saramago (1995)

Ok, neste livro o mundo não acaba. Famosa obra do querido autor português vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, a narrativa se desenrola quando um motorista parado no sinal vermelho do semáforo percebe-se cego. Isso porque o protagonista fora atingido por uma epidemia de cegueira que transformou a vida de todos em um caos.
Olha aí um pedacinho dessa descoberta que envolve todo o livro:
“Num movimento rápido, o que estava à vista desapareceu atrás dos punhos fechados do homem. (…) Estou cego, estou cego, repetia com desespero enquanto o ajudavam a sair do carro, e as lágrimas, rompendo, tomaram mais brilhantes os olhos que ele dizia estarem mortos.”
4) “O Pequeno Príncipe”, Saint-Exupéry (2006, 48ª edição)
Vamos fugir das epidemias e catástrofes agora. “O Pequeno Príncipe” é um clássico que já ultrapassa a marca de 6 milhões de exemplares vendidos.
O livro conta a história de um príncipe que surgiu do asteróide B612 e é encontrado pelo alter ego do autor da obra. O escritor conta ao pequeno sobre a pane de seu avião que o fez cair em pleno deserto do Saara e, a partir daí, o príncipe pede ao escritor que faça desenhos para ele a fim de demonstrar seu planeta.
Assim, a obra nos faz mergulhar em um mundo imaginário em que refletimos questões da vida real.
Recortei aqui uma famosa frase do livro:
“Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.”
5) “Jogos Vorazes”, Suzanne Collins (2010)
Este é o primeiro livro de uma trilogia que fez tanto sucesso que até estourou em bilheterias pelo mundo com sua versão cinematográfica.
A trama acontece em Panem, uma nação formada por cerca de 12 distritos e comandada pela Capital, sede do governo. Diante ao país carente, a Capital demonstra seu poder com uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão: os chamados Jogos Vorazes. Um casal de adolescentes de cada distrito é selecionado e obrigado a lutar até a morte nestes jogos. O vencedor terá fama e fortuna. Todos os demais, morrem.
Para evitar que sua irmã mais nova seja vítima do cruel programa, a jovem Katniss se oferece em seu lugar. Para ganhar a luta, é preciso mais do que habilidade. O que cada jogador está disposto a fazer para ser o vitorioso? É em busca da resposta que a incrível narrativa se desenrola.

Por: Tatiane Gonsales
De: São Paulo – SP
Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

RESENHA: O Jogo do Anjo – Carlos Ruiz Zafón

29 out

Carlos Ruiz Zafón é um escritor barcelonense que atingiu fama mundial com A Sombra do Vento, que foi traduzido para mais de 30 idiomas e vendeu mais de 10 milhões de copias ao redor do mundo. Seu segundo romance adulto, O Jogo do Anjo, foi publicado em 2008 e se tornou um sucesso de vendas atingindo rapidamente a quantia de 1 milhão de exemplares vendidos. A historia da obra se passa alguns anos antes dos acontecimentos de A Sombra do Vento, por isso é possível ver personagens e lugares em comum como Os Sempere e sua livraria, Gustavo Barceló e é claro, O Cemitério de Livros Esquecidos. Além disso, a Barcelona gótica de Zafón é usada mais uma vez como plano de fundo, ainda mais misteriosa.
David Martin tem 28 anos. É escritor e ama os livros mais do que qualquer coisa. Talvez menos do que Cristina, seu grande amor, que acabou por se relacionar com o Pedro Vidal, seu amigo e benfeitor. David também ama escrever e sempre sonhou ver seu nome publicado na capa de um livro, mas vende seu talento barato e acaba por escrever livros com pseudônimo de Ignatius B. Samson. Cínico e amargo, David acaba por escolher viver sozinho em um macabro casarão em ruínas, mas descobre que está muito doente e tem apenas poucos meses de vida. Eis que surge em sua vida, Andreas Corelli, um misterioso editor de livros que oferece uma proposta tentadora a Martin: Muito dinheiro e talvez até mesmo a sua saúde de volta. Mas quem é esse estranho e como ele conseguirá fazer isso?
            O Jogo do Anjo tem um caráter consideravelmente mais obscuro que A Sombra do Vento. Esse lado sombrio é primeiramente visto com o protagonista, David Martín, abandonado pela mãe e vivendo com um pai violento que em meio a sua frustração acabava por impedi-lo de ler os livros que tanto o faziam feliz. Ele viu o pai ser assassinado na sua frente e acabou por trabalhar em um jornal local para sobreviver, o que não o torna, de maneira alguma, inocente como Daniel Sempere. Em segundo lugar, o livro tem um tom muito mais gótico que o primeiro, com muito mais mistério e um toque de sobrenatural. Algo aconteceu aos antigos moradores do casarão onde David agora vive e parece que o mesmo pode acontecer com ele.  Mistérios e suspense. Um livro mais macabro onde existem mais sombras do que se aparenta.
Mas não é só de David que se trata esse livro. Os coadjuvantes também roubam a cena em muitas ocasiões principalmente o senhor Sempere (O avô do Daniel) e Isabela, uma moça geniosa que serve como assistente e confidente de David. Ambos têm um carinho muito grande pelo nosso protagonista apesar dele sempre fingir que não se importa com nada, o que acaba rendendo muitos bons momentos no livro. Alguns engraçados e outros extremamente tocantes. Além disso, há Andreas Corelli que acaba por se tornar uma incógnita, pois nunca sabemos de que lado ele realmente está.
Com um final muito enigmático que permite o leitor tirar suas próprias conclusões (o que chega até a desagradar a muitos) O Jogo do Anjo trata de escritores malditos, livros esquecidos, amor, mistério e principalmente a amizade. Foram os livros que salvaram David quando ele era apenas uma criança e são eles que vão salva-lo agora. Ou pelo menos é nisso que ele acredita.

Título: O Jogo do Anjo (El Juego Del Angel)

Autor: Carlos Ruiz Zafón
Editora: Suma de Letras
Ano da primeira 1ª edição: 2004
Número de páginas: 400 
Recomendação pessoal: Conhecer Barcelona. Tudo bem. Eu nunca estive em Barcelona. Mas Zafón descreve a cidade de uma maneira tão singular e tão mágica que é impossível não ter a vontade de conhecer todos os lugares que ele descreve em seus livros.

Por: Virgínia Fróes
De: Natal – RN
Email: virginia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

Resenha: Eu Sou O Mensageiro – Markus Zusak

10 set

            Markus Zusak é um escritor australiano nascido no ano de 1975, famoso pelo best-seller “A Menina que Roubava Livros”, lançado em 2006 e que se tornou um fenômeno literário. Aos 30 anos foi considerado um dos mais inovadores romancistas da atualidade. Eu Sou O Mensageiro, também de sua autoria, foi publicado pela primeira vez em 2003.
 Ed Kennedy tem 19 anos e é taxista. Vive uma vizinhança medíocre com seu cão velho ,lê mais livros do que deveria, está apaixonado por sua melhor amiga e não tem nenhuma espécie de ambição ou perspectiva em sua vida, como sua mãe gosta de lembrá-lo sempre. As coisas são sempre as mesmas até que em um arroubo de coragem inexplicável, Ed consegue impedir um assalto a banco e ganha seu dia de fama com a imprensa local. É a partir dai que ele começa a receber estranhas cartas de baralho pelo correio contendo endereços ou pistas a serem decifradas. Um pouco hesitante e bastante inseguro, Ed começa a visitar os endereços escritos nas cartas e realizar várias missões em cada um desses lugares e que o levam a conhecer pessoas que de alguma maneira necessitam de sua ajuda.
Narrado em primeira pessoa, o livro apresenta uma linguagem muito clara e sem rodeios, às vezes até com alguns palavrões e gírias de modo que o leitor pareça estar mesmo conversando com o protagonista. Ed pode parecer à primeira vista um herói bastante incomum. Como ele mesmo se define, é covarde, não fez faculdade, é péssimo com as mulheres e também não é bom com jogos de cartas. Mas, apesar de não saber quem está enviando as cartas, ele decide cumprir seu papel. É a partir daí que você já reconhece o valor que há no jovem Ed Kennedy. Ele poderia ter apenas ignorado a carta e continuado a sua vida, mas ele fez sua escolha e decidiu que finalmente era a hora de agir. O que Zusak nos faz ver realmente é que qualquer um de nós tem potenciais para mudar o mundo e, principalmente, mudar nós mesmos.
          Além de toda das mensagens inseridas na historia, a obra prende o leitor e o deixa ansioso pelo cumprimento de cada tarefa. Afinal, assim como o protagonista, queremos saber quem está enviando as cartas de baralho e porque logo Ed foi o escolhido. Eu Sou O Mensageiro é além de tudo uma historia de autoconhecimento, um livro que através das historias das pessoas ajudadas por Ed mostram a beleza e a alegria que há nos pequenos gestos de gentileza e compaixão.

Título: Eu Sou O Mensageiro (I Am The Messenger)
Autor: Markus Zusak
Editora: Intríseca
Ano: 2007
Número de páginas: 318

Recomendação pessoal: Saia por aí e faça alguma coisa boa para alguém mesmo que não tenha recebido nenhuma carta de baralho pelo correio. Pode parecer besteira, mas vai mudar a sua vida pelo menos um pouquinho.


Por: Virgínia Fróes
De: Natal – RN
Email: virginia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

A Mulher Mais Linda da Cidade – Charles Bukowski

3 set
Conto retirado do livro “Crônica de um Amor Louco de Charles Bukowski – Editora L&PM (2007)

Das 5 irmãs, Cass era a mais moça e a mais bela. E a mais linda mulher da cidade. Mestiça de índia, de corpo flexível, estranho, sinuoso que nem cobra e fogoso como os olhos: um fogaréu vivo ambulante. Espírito impaciente para romper o molde incapaz de retê-lo. Os cabelos pretos, longos e sedosos, ondulavam e balançavam ao andar. Sempre muito animada ou então deprimida, com Cass não havia esse negócio de meio termo. Segundo alguns, era louca. Opinião de apáticos. Que jamais poderiam compreendê-la. Para os homens, parecia apenas uma máquina de fazer sexo e pouco estavam ligando para a possibilidade de que fosse maluca. E passava a vida a dançar, a namorar e beijar. Mas, salvo raras exceções, na hora agá sempre encontrava forma de sumir e deixar todo mundo na mão.
As irmãs a acusavam de desperdiçar sua beleza, de falta de tino; só que Cass não era boba e sabia muito bem o que queria: pintava, dançava, cantava, dedicava-se a trabalhos de argila e, quando alguém se feria, na carne ou no espírito, a pena que sentia era uma coisa vinda do fundo da alma. A mentalidade é que simplesmente destoava das demais: nada tinha de prática. Quando seus namorados ficavam atraídos por ela, as irmãs se enciumavam e se enfureciam, achando que não sabia aproveitá-los como mereciam. Costumava mostrar-se boazinha com os feios e revoltava-se contra os considerados bonitos — “uns frouxos”, dizia, “sem graça nenhuma. Pensam que basta ter orelhinhas perfeitas e nariz bem modelado… Tudo por fora e nada por dentro…” Quando perdia a paciência, chegava às raias da loucura; tinha um gênio que alguns qualificavam de insanidade mental.
O pai havia morrido alcoólatra e a mãe fugira de casa, abandonando as filhas. As meninas procuraram um parente, que resolveu interná-las num convento. Experiência nada interessante, sobretudo para Cass. As colegas eram muito ciumentas e teve que brigar com a maioria. Trazia marcas de lâmina de gilete por todo o braço esquerdo, de tanto se defender durante suas brigas. Guardava, inclusive, uma cicatriz indelével na face esquerda, que em vez de empanar-lhe a beleza, só servia para realçá-la.
Conheci Cass uma noite no West End Bar, Fazia vários dias que tinha saído do convento. Por ser a caçula entre as irmãs, fora a última a sair. Simplesmente entrou e sentou do meu lado. Eu era provavelmente o homem mais feio da cidade — o que bem pode ter contribuído.

— Quer um drinque? — perguntei.

— Claro, por que não?

Não creio que houvesse nada de especial na conversa que tivemos essa noite. Foi mais a impressão que causava. Tinha me escolhido e ponto final. Sem a menor coação. Gostou da bebida e tomou varias doses. Não parecia ser de maior idade, mas, não sei como, ninguém se recusava a servi-la. Talvez tivesse carteira de identidade falsa, sei lá. O certo é que toda vez que voltava do toalete para sentar do meu lado, me dava uma pontada de orgulho. Não só era a mais linda mulher da cidade como também das mais belas que vi em toda minha vida. Passei-lhe o braço pela cintura e dei-lhe um beijo.

— Me acha bonita? — perguntou.

— Lógico que acho, mas não é só isso… é mais que uma simples questão de beleza…

— As pessoas sempre me acusam de ser bonita. Acha mesmo que eu sou?

— Bonita não é bem o termo, e nem te faz justiça.

Cass meteu a mão na bolsa. Julguei que estivesse procurando um lenço. Mas tirou um longo grampo de chapéu. Antes que pudesse impedir, já tinha espetado o tal grampo, de lado, na ponta do nariz. Senti asco e horror. Ela me olhou e riu.

— E agora, ainda me acha bonita? O que é que você acha agora, cara?


Puxei o grampo, estancando o sangue com o lenço que trazia no bolso. Diversas pessoas, inclusive o sujeito que atendia no balcão, tinham assistido a cena. Ele veio até a mesa:

— Olha — disse para Cass, — se fizer isso de novo, vai ter que dar o fora. Aqui ninguém gosta de drama.

— Ah, vai te foder, cara!

— É melhor não dar mais bebida pra ela — aconselhou o sujeito.

— Não tem perigo — prometi.

— O nariz é meu — protestou Cass, — faço dele o que bem entendo.

— Não faz, não — retruquei, — porque isso me dói.

— Quer dizer que eu cravo o grampo no nariz e você é que sente dor?

— Sinto, sim. Palavra.

— Está bem, pode deixar que eu não cravo mais. Fica sossegado.

Me beijou, ainda sorrindo e com o lenço encostado no nariz. Na hora de fechar o bar, fomos para onde eu morava. Tinha um pouco de cerveja na geladeira e ficamos lá sentados, conversando. E só então percebi que estava diante de uma criatura cheia de delicadeza e carinho. Que se traia sem se dar conta. Ao mesmo tempo que se encolhia numa mistura de insensatez e incoerência. Uma verdadeira preciosidade. Uma jóia, linda e espiritual. Talvez algum homem, uma coisa qualquer, um dia a destruísse para sempre. Fiquei torcendo para que não fosse eu.
Deitamos na cama e, depois que apaguei a luz, Cass perguntou:

— Quando é que você quer transar? Agora ou amanhã de manhã?

— Amanhã de manhã — respondi, — virando de costas pra ela.

No dia seguinte me levantei e fiz dois cafés. Levei o dela na cama. Deu uma risada.                                     

— Você é o primeiro homem que conheço que não quis transar de noite.

— Deixa pra lá — retruquei, — a gente nem precisa disso.

— Não, pára aí, agora me deu vontade. Espera um pouco que não demoro.

Foi até o banheiro e voltou em seguida, com uma aparência simplesmente sensacional — os longos cabelos pretos brilhando, os olhos e a boca brilhando, aquilo brilhando… Mostrava o corpo com calma, como a coisa boa que era. Meteu-se em baixo do lençol.

— Vem de uma vez, gostosão.

Deitei na cama.Beijava com entrega, mas sem se afobar. Passei-lhe as mãos pelo corpo todo, por entre os cabelos. Fui por cima. Era quente e apertada. Comecei a meter devagar, compassadamente, não querendo acabar logo. Os olhos dela encaravam, fixos, os meus.

— Qual é o teu nome? — perguntei.

— Porra, que diferença faz? — replicou.

Ri e continuei metendo. Mais tarde se vestiu e levei-a de carro de novo para o bar. Mas não foi nada fácil esquecê-la. Eu não andava trabalhando e dormi até às 2 da tarde. Depois levantei e li o jornal. Estava na banheira quando ela entrou com uma folhagem grande na mão — uma folha de inhame.

— Sabia que ia te encontrar no banho — disse, — por isso trouxe isto aqui pra cobrir esse teu troço aí, seu nudista.

E atirou a folha de inhame dentro da banheira.

— Como adivinhou que eu estava aqui?

— Adivinhando, ora.

Chegava quase sempre quando eu estava tomando banho. O horário podia variar, mas Cass raramente se enganava. E tinha todos os dias a folha de inhame. Depois a gente trepava.
Houve uma ou duas noites em que telefonou e tive que ir pagar a fiança para livrá-la da detenção por embriaguez ou desordem.

— Esses filhos da puta — disse ela, — só porque pagam umas biritas pensam que são donos da gente.

— Quem topa o convite já está comprando barulho.

— Imaginei que estivessem interessados em mim e não apenas no meu corpo.

— Eu estou interessado em você e também no seu corpo. Mas duvido muito que a maioria não se contente com o corpo.

Me ausentei seis meses da cidade, vagabundeei um pouco e acabei voltando. Não esqueci Cass, mas a gente havia discutido por algum motivo qualquer e me deu vontade de zanzar por aí. Quando cheguei, supus que tivesse sumido, mas nem fazia meia hora que estava sentado no West End Bar quando entrou e veio sentar do meu lado.

— Como é, seu sacana, pelo que vejo já voltou.

Pedi bebida para ela. Depois olhei. Estava com um vestido de gola fechada. Cass jamais tinha andado com um traje desses. E logo abaixo de cada olheira, espetados, havia dois grampos com ponta de vidro. Só dava para ver as pontas, mas os grampos, virados para baixo, estavam enterrados na carne do rosto.

— Porra, ainda não desistiu de estragar sua beleza?

— Que nada, seu bobo, agora é moda.

— Pirou de vez.

— Sabe que sinto saudade — comentou.

— Não tem mais ninguém no pedaço?

— Não, só você. Mas agora resolvi dar uma de puta. Cobro dez pratas. Pra você, porém, é de 
graça.

— Tira esses grampos daí.

— Negativo. É moda.

— Estão me deixando chateado.

— Tem certeza?

— Claro que tenho, pô.

Cass tirou os grampos devagar e guardou na bolsa.

— Por que é que faz tanta questão de esculhambar o teu rosto? — perguntei. — Quando vai se 
conformar com a idéia de ser bonita?

— Quando as pessoas pararem de pensar que é a única coisa que eu sou. Beleza não vale nada e 
depois não dura. Você nem sabe a sorte que tem de ser feio. Assim, quando alguém simpatiza contigo, já sabe que é por outra razão.

— Então tá. Sorte minha, né?

— Não que você seja feio. Os outros é que acham. Até que a tua cara é bacana.

— Muito obrigado.
Tomamos outro drinque.

— O que anda fazendo? — perguntou.

— Nada. Não há jeito de me interessar por coisa alguma. Falta de ânimo.

— Eu também. Se fosse mulher, podia ser puta.

— Acho que não ia gostar de um contato tão íntimo com tantos caras desconhecidos. Acaba 
enchendo.

— Puro fato, acaba enchendo mesmo. Tudo acaba enchendo.

Saímos juntos do bar. Na rua as pessoas ainda se espantavam com Cass. Continuava linda, talvez mais do que antes.Fomos para o meu endereço. Abri uma garrafa de vinho e ficamos batendo papo. Entre nós dois a conversa sempre fluía espontânea. Ela falava um pouco, eu prestava atenção, e depois chegava a minha vez. Nosso diálogo era sempre assim, simples, sem esforço nenhum. Parecia que tínhamos segredos em comum. Quando se descobria um que valesse a pena, Cass dava aquela risada — da maneira que só ela sabia dar. Era como a alegria provocada por uma fogueira. Enquanto conversávamos, fomos nos beijando e aproximando cada vez mais. Ficamos com tesão e resolvemos ir para a cama, Foi então que Cass tirou o vestido de gola fechada e vi a horrenda cicatriz irregular no pescoço — grande e saliente.

— Puta que pariu, criatura — exclamei, já deitado. — Puta que pariu. Como é que você foi me fazer 
uma coisa dessas?

— Experimentei uma noite, com um caco de garrafa. Não gosta mais de mim? Deixei de ser bonita?
Puxei-a para a cama e dei-lhe um beijo na boca. Me empurrou para trás e riu.

— Tem homens que me pagam as dez pratas, aí tiro a roupa e desistem
de transar. E eu guardo o dinheiro pra mim. É engraçadíssimo.


— Se é — retruquei, — estou quase morrendo de tanto rir… Cass, sua cretina, eu amo você… mas pára com esse negócio de querer se destruir. Você é a mulher mais cheia de vida que já encontrei.

Beijamos de novo. Começou a chorar baixinho. Sentia-lhe as lágrimas no rosto. Aqueles longos cabelos pretos me cobriam as costas feito mortalha. Colamos os corpos e começamos a trepar, lenta, sombria e maravilhosamente bem.

Na manhã seguinte acordei com Cass já em pé, preparando o café. Dava a impressão de estar perfeitamente calma e feliz. Até cantarolava. Fiquei ali deitado, contente com a felicidade dela. Por fim veio até a cama e me sacudiu.

— Levanta, cafajeste! Joga um pouco de água fria nessa cara e nessa pica e vem participar da festa!

Naquele dia convidei-a para ir à praia de carro. Como estávamos na metade da semana e o verão ainda não tinha chegado, encontramos tudo maravilhosamente deserto. Ratos de praia, com a roupa em farrapos, dormiam espalhados pelo gramado longe da areia. Outros, sentados em bancos de pedra, dividiam uma garrafa de bebida tristonha. Gaivotas esvoaçavam no ar, descuidadas e no entanto aturdidas. Velhinhas de seus 70 ou 80 anos, lado a lado nos bancos, comentavam a venda de imóveis herdados de maridos mortos há muito tempo, vitimados pelo ritmo e estupidez da sobrevivência. Por causa de tudo isso, respirava-se uma atmosfera de paz e ficamos andando, para cima e para baixo, deitando e espreguiçando-nos na relva, sem falar quase nada. Com aquela sensação simplesmente gostosa de estar juntos. Comprei sanduíches, batata frita e uns copos de bebida e nos deixamos ficar sentados, comendo na areia. Depois me abracei a Cass e dormimos encostados um no outro durante quase uma hora. Não sei por quê, mas foi melhor do que se tivessemos transado. Quando acordamos, voltamos de carro para onde eu morava e fiz o jantar. Jantamos e sugeri que fossemos para a cama. Cass hesitou um bocado de tempo, me olhando, e ao respondeu, pensativa:

— Não.

Levei-a outra vez até o bar, paguei-lhe um drinque e vim-me embora. No dia seguinte encontrei serviço como empacotador numa fábrica e passei o resto da semana trabalhando. Andava cansado demais para cogitar de sair à noite, mas naquela sexta-feira acabei indo ao West End Bar. Sentei e esperei por Cass. Passaram-se horas. Depois que já estava bastante bêbado, o sujeito que atendia no balcão me disse:

— Uma pena o que houve com sua amiga.

— Pena por quê? — estranhei.

— Desculpe. Pensei que soubesse.

— Não.

— Se suicidou. Foi enterrada ontem.

— Enterrada? — repeti.

Estava com a sensação de que ela ia entrar a qualquer momento pela porta da rua. Como poderia estar morta?

— Sim, pelas irmãs.

— Se suicidou? Pode-se saber de que modo?

— Cortou a garganta.

— Ah. Me dá outra dose.

Bebi até a hora de fechar. Cass, a mais bela das 5 irmãs, a mais linda mulher da cidade. Consegui ir dirigindo até onde morava. Não parava de pensar. Deveria ter insistido para que ficasse comigo em vez de aceitar aquele “não”. Todo o seu jeito era de quem gostava de mim. Eu é que simplesmente tinha bancado o durão, decerto por preguiça, por ser desligado demais. Merecia a minha morte e a dela. Era um cão. Não, para que pôr a culpa nos cães? Levantei, encontrei uma garrafa de vinho e bebi quase inteira. Cass, a garota mais linda da cidade, morta aos vinte anos.
Lá fora, na rua, alguém buzinou dentro de um carro. Uma buzina fortíssima, insistente. Bati a garrafa com força e gritei:

— MERDA! PÁRA COM ISSO, SEU FILHO DA PUTA!

A noite foi ficando cada vez mais escura e eu não podia fazer mais nada.

Recomendação Pessoal: Bukowski. Sempre. 



Por: Virgínia Fróes
De: Natal – RN
Email: virginia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

Resenha: Ardil-22 – Joseph Heller

27 ago

Joseph Heller nasceu em 1923 em Nova York, filho de imigrantes russos e começou a carreira de escritor escrevendo contos para revistas americanas. Ardil-22, seu primeiro romance, é baseado nas experiências do autor como piloto de bombardeio durante a Segunda Guerra Mundial e tem uma maneira única de tratar os horrores da guerra de forma irônica e satírica.
O protagonista dessa obra é o capitão John Yossarian, um piloto americano de bombardeio, atuante em uma base militar dos EUA localizada na ilha de Pianosa. Os homens desse esquadrão necessitam realizar um certo número de missões aéreas para que sejam dispensados e possam voltar para casa. Entretanto, o comando militar continua aumentando o número de missões de forma que os pilotos nunca consigam completá-lo. Além disso, há o ardil-22, uma lei militar autocontraditória que também faz com que os soldados continuem voando. O Ardil afirma que a única maneira dos pilotos deixarem suas missões é pedindo para abandoná-las, alegando insanidade. Porém, ao tomar essa decisão de não se envolver em missões perigosas para proteger sua vida, o soldado está sendo perfeitamente racional e dessa forma deve continuar voando.
Ardil-22 já se destaca logo de cara por mostrar os soldados de uma maneira nunca antes vista. Os personagens mostrados são retratos extremantes caricatos de figuras que se metem nas situações mais absurdas. Não há herois de guerra que lutam por honra e por ideais patrióticos, como sempre nos é mostrado em filmes e livros de guerra. Os soldados são apenas seres humanos que não estão interessados em morrer por seu país e nem por ninguém. O alto escalão militar é composto por sujeitos incompetentes e sedentos de poder, cujas ordens são inúteis e levam milhares de seus subordinados a morrer de maneira chocante pelos motivos mais irrelevantes. Não é de se admirar que Yossarian faça de tudo para não voar. As mortes de seus companheiros o chocaram muito e faz com que ele sinta que sua própria morte está cada vez mais próxima.
O romance possui uma narrativa não linear recheada de flashbacks mostrando a mesma situação através dos pontos de vista dos mais diversos personagens, que vão ganhando mais detalhes com as repetições. Joseph Heller trata a história dessa maneira para ilustrar o como a guerra é algo absurdo, sem sentido e repetitivo. Essas características que são ao mesmo tempo fantasiosas e tão próximas da realidade é que tornam esse livro tão genial e chocante. A princípio a leitura pode parecer um pouco complicada, mas ao longo do livro tudo se esclarece e o final faz tudo valer a pena. Contraditório, crítico e até mesmo hilário (é possível dar boas gargalhadas com diversas partes da obra), Ardil-22 demorou um pouco para ser bem aceito entre o público mas até hoje é considerado um dos melhores exemplares da literatura anti-belicista. Fez bastante sucesso entre os manifestantes que protestavam contra a guerra do Vietnã carregando placa com os dizeres “Yossarian Lives!”
Recomendação pessoal: Em 1970, foi lançada a adaptação cinematográfica do livro, dirigida por Mike Nichols. Devido a narrativa incomum, a equipe encontrou bastante dificuldade em adaptar o livro perfeitamente, tendo que deixar muitas partes e personagens de fora. O filme, porém, é divertidíssimo e ajuda ao leitor a visualizar de maneira bem realista o que foi lido na obra. Além disso, o filme se tornou famoso por reformar e resgatar diversas aeronaves B-25 Mitchell que estavam praticamente desaparecidas e sucateadas. 15 dos 18 bombardeios ainda permanecem intactos e após as filmagens foram doados ao Museu Smithsonian.

Título: Ardil-22 (Catch-22) 

Autor: Joseph Heller

Editora:Bestbolso

Edição: 2010
Número de páginas: 560


Por: Virgínia Fróes
De: Natal-RN
Email: virginia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

Resenha: Cidade de Ladrões – David Benioff

6 ago

David Benioff, nascido em 1970 nos EUA, é um escritor, roteirista e produtor televisivo. É famoso principalmente pelos roteiros de A Última Noite (2002), Tróia (2004), O Caçador de Pipas (2007), X-Men Origens: Wolverine (2009) além da adaptação televisiva dos livros para a série da HBO, Game of Thronesjuntamente com D.B. Weiss. Seu romance, Cidade de Ladrões, lançado em 2008, é um romance histórico de ficção em primeira pessoa onde um avô conta ao seu neto historias da sua juventude durante o cerco nazista a São Petersburgo.
            Lev Beniov é um rapaz de 17 anos, que por ser muito novo para entrar no exército, trabalha como bombeiro voluntário junto aos companheiros do prédio onde mora. Para ele, esse serviço é a sua forma de contribuir com a vitória dos russos sobre os alemães na guerra e mesmo que sua mãe e irmã tenham ido embora de São Petersburgo, Lev não quer abandonar sua cidade nem fugir de seu inimigo. Em um de suas noites de vigília, Lev e seus amigos encontram um cadáver de um para-quedista alemão e roubam dele diversos objetos. Entretanto, a policia encontra os garotos, mas consegue prender apenas Lev, que é escoltado para a prisão local, famosa por suas historias aterrorizantes. É lá que ele conhece Kolya, um soldado que foi preso sob a acusação de ser um desertor e ambos são levados a presença do Coronel. Ao contrário do que pensavam, não haverá pena de morte e sim um trato: O coronel deixaria os dois viverem se em dentro de cinco dias trouxerem uma caixa de ovos para fazer o bolo de casamento de sua filha.
Assim, mesmo contra todas as possibilidades, Lev e Koyla vão em busca de uma dúzia de ovos em uma cidade infestada por ladrões, crianças esfomeadas, prostitutas, cadáveres e até mesmo canibais. Uma cidade onde as rações dadas pelo governo são extremamente racionadas e as pessoas comem lama e cola de livros para sobreviver. Isso tudo sem mencionar a guerra e os implacáveis soldados nazistas.
Talvez para aliviar um pouco a situação ou mesmo para mostrar um pensamento adolescente mesmo em meio a tudo isso, Benioff nos apresenta a dupla de personagens principais como algo tão agradável que os diálogos entre os dois acabam se tornando grande parte do livro. Afinal, ambos estão andando por São Petersburgo (Na época chamada de Leningrado) praticamente sozinhos. Suas personalidades são bem contrastantes o que rende sempre bons momentos. Lev é tímido, inseguro, fechado e com um constante desejo de se tornar um herói mesmo que na maior parte do tempo se considere um covarde. Kolya é um tagarela que aparentemente não tem nenhum medo ou preocupação. Um dos medos constantes de Lev é que Kolya fale algo que os possa condenar a morte e isso sempre parece acontecer durante todo o livro. O passatempo favortio de Kolya parece ser falar sobre sexo e sobre um autor desconhecido chamado Ushakovo. Ele também está sempre importunando Lev em relação as mulheres ou ao xadrez, rendendo discussões sempre divertidas. Ao longo do livro, ambos passam por situação onde sua coragem, habilidades e até mesmo sua recém amizade são testadas
Não havia comida suficiente, não havia energia. Havia apenas a possibilidade de ser bombardeado a qualquer momento. Ou a possibilidade de morrer de fome ou frio. O cerco a Leningrado foi uma das situações mais trágicas enfrentadas pelo povo russo. Apesar de todo o sofrimento causado pela guerra, Cidade de Ladrões não proporciona uma leitura densa e complicada. As habilidades de Benioff como roteirista permitem que esse romance seja tão dinâmico como um filme, com a historia sempre fluindo de maneira que o leitor não consiga largar o livro.
Recomendação pessoal: Ler sobre o cerco de Leningrado. Pode parecer chocante mas Benioff conseguiu ser bem realista em muitos aspectos do cerco nazista sobre a maior cidade russa. É interessante dar uma olhada para ver como os russos e seu inverno ajudaram a derrotar os nazistas apesar das terríveis perdas civis e militares.

Título: Cidade de Ladrões (City of Thieves)
Autor: David Benioff

Editora: Alfaguara

Ano: 2008

Número de páginas: 296

Por: Virgínia Fróes
De: Natal – RN
Email: virginia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉