Arquivo | Música RSS feed for this section

Hoje é dia de rock, bebê!

13 fev


Eae galera, como é que vocês estão?! Como todo mundo já sabe, essa semana o Brasil parou! Foi por causa do incidente envolvendo o afastamento do Renan Calheiros da presidência no senado? Não! Foi por causa do Papa Bento XVI renunciando o seu posto? Não também! Como sempre acontece nessa época do ano, o país pára pra comemorar o Carnaval e tudo o que se fala é Carnaval! Marchinhas! Moças semi-nuas! Carros alegóricos! Gringos que desembarcaram por aqui pra festejar!


Mas nós da Revista FRIDAY somos diferentes e por isso decidimos trazer pra vocês uma entrevista com três das principais bandas do hard rock paulista: a Dirty Glory, a L.F. Angels e a Vulgar Type. Os caras bateram um papo bastante descontraído numa mesa de bar e entre os assuntos em pauta estão o uso de fogos artificiais durante os shows, a forma como a música brasileira é vista no exterior e a pirataria.


E pra quem ainda não conhece e tiver afim de conhecer o som dos caras, vejam os clipes das bandas e curtam no facebook.

Dirty Glory

L.F. Angels 

Obs.: A Vulgar Type ainda está em processo de produção do EP e por isso ainda não tem videoclipe. 


Por: Renan de Amorim
De: Diadema-SP
Email: renan@revistafriday

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

iFriday – Inside the girls of summer

15 jan

Época de férias e qual é o primeiro lugar pra onde a maioria das pessoas decidem ir?! Se a sua resposta foi praia, acertou! Pensando nisso o iFriday dessa semana vai trazer uma lista apenas com clipes nas areias.

O dueto de Jason Mraz com Colbie Caillat em “Lucky” não alcançou o topo de nenhuma das principais paradas de música, mas o visual do local onde Colbie canta vale a aparição aqui no iFriday.


 
O clipe que aparece por aqui agora é da Selena Gomez. No clipe vemos a cantora em uma competição de karaokê e enquanto canta “Love you like a love song”. A música chegou a 22ª posição da billboard hot 100, mas conseguiu alcançar o topo das paradas russas.




Com uma levada bem praiana é óbvio que a parceria de Travie McCoy com Bruno Mars na música “Billionaire” não poderia ficar de fora da nossa lista de hoje. A música alcançou a 4ª posição da Billboard hot 100, mas chegou ao topo nas paradas da Holanda e do Reino Unido.



Junte um belo pôr-do-sol com o dj pop do momento e uma voz potente. O que temos é a parceria de David Guetta com Kelly Rowland na música “When love takes over”, que chegou ao topo de 10 paradas musicais ao redor do mundo no ano do seu lançamento.




Representando a classe dos “rockeiros” e também em homenagem a lindíssima da Mariana Perez que está na Irlanda, quem vai fechar a nossa lista de hoje é o Aerosmith com “Girls of summer”.




Por: Renan Amorim
De: Diadema-SP
Email: renan@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

SE JOGA NA BAGACEIRA

9 jan

   

Gaby Amarantos, Banda UÓ, Holger e Bonde do Rolê são alguns nomes do atual cenário trash/over que foi moldado com novos atributos para que se tornassem produtos de requinte. 

 Estes segmentos denominados brega sempre tiveram um grande valor cultural, porém, como um diamante robusto foi cuidadosamente lapidado e agora *BRILHA*.
Mas Lapidado como? > No seu conteúdo e estrutura musical – como arranjos mais complexos e bem estruturados –  e em seu conceito visual – tendo uma estética com um conceito embasado e um propósito. 

(Mateus Carrilho, Davi Sabbag e Mel Gonçalves)
Banda UÓ

Este segmento geralmente exalta e mostra a América do Sul e o Brasil em sua realidade e clichês. Os contextos conotam algo tropical, com alegria e festa. Cenário já moldado há anos pela majestosa Carmem Miranda que conceituou e pontuou de forma marcante estas características.

Estes artistas nadam contra a corrente da indústria fonográfica que padroniza a cultura POP. Provando que provém de nossa terra, não existe em lugar nenhum no mundo.


Ouça alguns destes artistas e SE JOGA NA BAGACEIRA:


BONDE DO ROLÊ – KILO

GABY AMARANTOS – GALERA DA LAJE 
BANDA UÓ – GRINGO
Quer conhecer mais sobre algum estilo, música, artista ou banda? Envie um e-mail!


Por: Vidalles
De: São Paulo – SP
Email: vidalles@hotmail.com

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

iFriday – Adeus Ano Velho

1 jan

  Eae, galera, como é que estão vocês?! Depois de muito tempo fora do ar, hoje o iFriday está de volta. Já que todo mundo tá em clima de retrospectivas, a nossa lista de hoje será com as músicas que mais fizeram sucesso no ano de 2012.


  Num clima bem descontraído, e com um visual bem à vontade, os caras do LMFAO tiveram grande destaque nas paradas musicais com “Sexy and I know it”.


  Lançada como parte do quinto álbum de estúdio da cantora Kelly Clarkson, “Stronger (What doesn’t kill you)” ocupou o topo das paradas musicais por três semanas, mas ganhou ainda mais destaque ao ser interpretada pelo elenco de Glee.


  Até então, não tão conhecidos do grande público, os caras da banda Fun gravaram “We are young” em parceira com a cantora Janelle Monáe e garantiram o primeiro lugar na billboard hot 100 por seis semanas consecutivas.


 Outra parceria que deu certo, foi do cantor Gotye com a cantora Kimbra. A música “Somebody that I used to know” permaneceu no topo da billboard por oito semanas consecutivas, além de vender mais de 5 milhões de cópias nos EUA.


 Fechando o iFriday de hoje, fica a música mais “chiclete” deste ano. Afinal de contas, quem nunca cantou na balada “Hey, I just met you, and this is crazy, but here’s my number, so call me maybe?

Por: Renan Amorim
De: Diadema-SP
Email: renan@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

I CHARLESTON SP (by Blubell)

8 nov
Depois do sucesso do clipe “Pra Sonhar”, de Marcelo Jeneci, a agência de conteúdo Recheio Digital tem um novo desafio: filmar a homenagem que a cantora paulista Blubell quer fazer à sua cidade em forma de videoclipe.  Inspirada pelo jazz dos anos 20, pelos salões da época e pelas big bands, Blubell encontrou no I Charleston The World, movimento que pretende gravar pessoas dançando o estilo nos principais locais de sua cidade, o elo perfeito para integrar música, dança e vídeo.

O projeto será feito de forma colaborativa. Desde a captação de recursos, via crowdfunding, até a gravação do videoclipe, que qualquer pessoa pode participar. “I Charleston SP by Blubell” já está no site Benfeitoria pra quem quiser contribuir. 

E as recompensas são ótimas: tem CD da Blubell autografado, gravação exclusiva para sua secretária eletrônica, convite especial para festa fechada com presença da cantora, aulas de Charleston e LindyHop, show acústico na sua casa e muito mais. Além disso, contribuições não financeiras também são bem vindas, como transporte, iluminação, figurino etc… Contamos com a colaboração do público para prestar essa homenagem à cidade.

I Charleston SP by Blubell foi lançado no dia 12 de outubro durante o Brasil Swing Out Extravaganza (BSOE), um dos maiores festivais de Lindy Hop e cultura dos anos 20 do Brasil. O evento, realizado pelos grupos de dança HopAholics (SP) e Rio Hoppers (RJ), contou com a participação de professores e dançarinos profissionais de várias partes do mundo, como Lennart Westerlund & Catrine Ljunggren, Daniel Heedman & Åsa Heedman, Elliott Donnelley, Gastón Fernández, Lucy Engle Manuel Bicain & Mariel Gastiarena e Peter BetBasoo. 

Confira o vídeo dos professores se apresentando:


Mas o que é o Charleston?


O nome parece complicado, mas você já deve ter visto muita gente dançando este estilo nos filmes de época. Surgida durante os anos 20, na cidade de Charleston, na Carolina do Sul (EUA), é uma dança alegre e divertida que estava presente nos antigos cabarés.

As mulheres usavam saias pouco mais curtas que o habitual e cabelos à arçonne. Os homens, não menos elegantes, já tinham assimilado o terno como vestuário principal. Chapéu, bigodes e a respeitosa bengala também estavam em voga. Movimentos marcados nas mãos, como se estivesse tocando um pandeiro, acompanhados pelas rápidas projeções laterais dos pés davam o tom da dança, que podia ser dançada sozinho, em dupla ou grupos.
Agora, em pleno 2012, quem diria que o Charleston estaria sendo dançado novamente ao redor do mundo? O estilo está ganhando cada vez mais adeptos e força. O “I Charleston The World” já foi realizado em Paris, Berlim, Tóquio, São Francisco, Estocolmo, Montpellier e Nova York. É por isso que acreditamos que São Paulo, como a maior cidade da América Latina – e uma das principais do mundo – , não pode ficar fora desta!

Juntamente com os dançarinos do grupo HopAholics, que dançam o estilo, a Recheio e a Blubell irão realizar o I Charleston SP by Blubell mostrando a intensidade do Charleston e, claro, de São Paulo.

Por: Recheio Digital

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

iFriday – Pégaso, ajuda o seu cavaleiro! Gelo, Dragão e os guerreiros!

15 out
Eae galera como é que estão vocês?! Como todos bem sabem na última sexta-feira foi comemorado o dia das crianças e claro que a  Revista FRIDAY num ia deixar essa data passar em branco. Então eu escolhi algumas aberturas de anime que fizeram parte da minha infância (que fique bem claro que isso não faz tanto tempo assim… ahuahauhau) e que com certeza muitos de vocês já devem ter acompanhado.

Talvez muitos de vocês nem devam conhecer esse anime, mas eu gostei de Power Stone, principalmente pela sua abertura que eu achava incrível. Foi transmitido pela TV Globinho no início dos anos 2000 e contava a história de pessoas que ganhavam poderes usando pedras especiais.


Também exibido no início dos anos 2000 pela TV Globinho, Shinzo conta a história de uma jovem que é a última humana e que tem como objetivo encontrar outros possíveis sobreviventes que vivem em um refúgio.


Originalmente lançado como um video-game, o anime conta a história de Genki, que é um garoto viciados em games e que um dia acaba parando em um desses jogos onde se junta a Holly e um grupo de monstros para enfrentar o maligno vilão Moo.


Eu sei que vocês vão dizer que Sailor Moon é um desenho de menininhas, mas como um fissurado na extinta Rede Manchete eu não perdia nenhum anime que eles lançavam. O anime conta a história de Serena e das outras sailors que usam os poderes dos planetas para proteger a Terra da ameaça de perigosos monstros.


Mais um desenho com foco nas garotas, mas que acabou fazendo sucesso com todas as crianças quando foi lançado aqui no Brasil, Sakura Card Captors, conta a história de uma jovem que por acidente liberta cartas mágicas de um livro e acaba sendo obrigada a sair a procura de todas elas.


Vamos voltar um pouco no tempo e deixar pra trás, os animes de “meninas”. Agora quem aparece por aqui é o Fly, um anime que originalmente era um mangá baseado em jogos de RPG. A história do anime gira em torno de Fly, um garoto que tem o sonho de se tornar um herói.


Confesso que a minha primeira impressão sobre Bucky não foi das melhores, porque eu achei muito bizarro ele usando uma bola cor-de-rosa com braços e pernas e que pode explodir coisas abrindo as mãos, mas depois de acompanhar a história acabei me tornando um grande fã do anime, que foi exibido no inicio dos anos 2000 pela Rede Bandeirantes.


Medabots também chegou ao Brasil no início dos anos 2000, e tem como principal enredo a batalha de robõs com inteligência artificial que são controlados por humanos. Foi exibido pela TV Globinho.


Talvez seja um dos animes que mais fez sucesso por aqui quando chegou ao Brasil através da Rede Manchete no final dos anos 90. O anime conta a história de Yusuke Urameshi que ressuscitou após morrer por engano e recebeu do Mundo Espiritual a missão de proteger os humanos dos ataques dos mais variados tipos de demônios.


Samurai Warriors foi um anime produzido pela Sunrise no final dos anos 80 e que foi trazido ao Brasil pela Rede Manchete. O anime conta a história de cinco samurais que lutam contra Scorpio, um guerreiro milenar que lidera a força das trevas. Por aqui acabou não tendo grande sucesso.


Shurato é mais um anime que foi originalmente lançado em mangá. Ele conta a história de Shurato Hidaka, que foi transportado para uma dimensão paralela chamada Mundo Celestial com seu melhor amigo Gai Kuroki. Lá ele descobre que é a reencarnação de um deus budista e ajuda o povo divino de Deva a combater o povo divino de Asra, liderado pela deusa Shiva.


Inspirado nos pequenos Tamagochi, Digimon foi criado em 1997 e conta a história de crianças que foram escolhidas para lutarem ao lado de seus parceiros digimon contra os inimigos que querem dominar o digimundo. Atualmente, está em sua sétima temporada no Japão e aqui no Brasil sua abertura foi interpretada pela cantora/apresentadora Angélica.


Pokémon conta a história de Ash, um jovem que tem o sonho de se tornar o maior treinador de Pokémon do mundo ao lado do seu companheiro Pikachu. Atualmente está em sua 15ª temporada sendo exibida no Japão e já conta com mais de 700 episódios exibidos ao longo desses 16 anos de existência.


Honestamente, a série Dragon Ball (Dragon Ball, Dragon Ball Z, Dragon Ball GT) não é uma das minhas favoritas, mas é inegável o sucesso que o anime fez, e faz até hoje aqui em solo tupiniquim. Lançado como mangá nos anos 80, conta a história de Goku, um menino que mora em um lugar isolado e que tem rabo de macaco. Mais tarde descobre-se que ele foi enviado a Terra para matar os humanos, mas diferente do que todos esperavam ele acabou se tornando um grande protetor do planeta contra invasores alienígenas.


Quem me conhece bem sabe que Cavaleiros do Zodíaco é o meu anime favorito. Também foi adaptado do mangá e foi um dos primeiros animes a ser exibido aqui no Brasil através da Rede Manchete. Originalmente chamado de Saint Seiya, conta a história de guerreiros que usam armaduras baseadas nas constelações para proteger Saori Kido, que é a reencarnação da deusa Atena nessa era. A franquia lucrou muito com bonecos, álbuns de figurinha e tantos outros produtos, além de despertar o interesse nas crianças em saber quem era o dono da voz do Seiya, do Shiryu e dos demais personagens. Falei demais, né?! Fiquem então com a segunda abertura brasileira fechando o iFriday de hoje.


Por: Renan Amorim
De: Diadema-SP
Email: renan@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

iFriday – Wake me up inside

8 out

E aí galera como é que vocês estão?! O Evanescence, é uma das minhas bandas favoritas e, aproveitando que os caras estão aqui no Brasil fazendo uma série de shows, o iFriday dessa semana será especial somente com clipes de Amy Lee e cia.

“My heart is broken” é o vídeo mais recente lançado pela banda e faz parte do terceiro álbum de estúdio deles chamado “Evanescence”. O clipe mostra Amy Lee fazendo desenhos com uma luz que está em suas mãos enquanto mostram algumas cenas dos outros integrantes da banda tocando.



Depois de ficar 3 anos sem lançar nenhum álbum de inéditas, em 2006 o Evanescence lançou o “The open door”. A música que abre o álbum é “Sweet sacrifice” que foi o terceiro single a ser lançado, mas acabou não sendo muito bem sucedido nas paradas musicais.



Também como parte do álbum “The open door”, o vídeo que vocês verão agora é da música “Good enough”. onde vemos Amy Lee tocando seu piano em meio a vários efeitos especiais, inclusive um incêndio.



“Everybody’s fool” faz parte do primeiro álbum de estúdio do Evanescence e seu clipe é uma espécie de crítica ao mundo da fama.



Após cinco anos do lançamento de “The open door”, o Evanescence voltou com um novo álbum no ano passado que leva o nome da própria banda em seu título. O single de estréia foi “What you want” e no clipe podemos ver uma performance da banda enquanto Amy Lee corre sozinha pelas ruas.



E por falar em “The open door”, o clipe que vocês verão agora é um dos meus favoritos. “Call me when you’re sober” foi o primeiro single lançado no segundo álbum da banda e teve grande recepção da crítica, chegando a ficar na posição 27 da parada de final de ano da Billboard.



Talvez um dos clipes mais conhecidos do Evanescence, “My immortal”, foi lançado em 2003 e devido ao grande sucesso recebeu a indicação para o Grammy Award de 2005 como Melhor performance pop por um duo ou um grupo com vocal.



Sem sombra de dúvidas “Going under” é o clipe mais sombrio do Evanescence, pois mostra a banda tocando em um show onde os fãs se transformam em zumbis durante a apresentação da banda.



“Lithium” foi o segundo single do álbum “The open door” e no clipe podemos ver Amy Lee e os demais integrantes da banda tocando em meio à neve.



“Bring me to life” foi a música que deixou o Evanescence conhecido em todo o mundo. O clipe mostra Amy Lee escalando um prédio até encontrar com Paul McCoy (vocalista do 12 Stones) e o restante da banda. Ela despenca do prédio, mas na verdade tudo não passa de um pesadelo.



Por: Renan Amorim
De: Diadema-SP
Email: renan@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉