Arquivo | Resenha RSS feed for this section

Se enlouquecer, não se apaixone

1 fev
Antes de mais nada, não julguem o filme pela sua tradução em português. Afinal de contas, todos nós sabemos que os títulos de filmes quando chegam ao Brasil conseguem espantar vários espectadores.

Craig é um adolescente de 16 anos, residente de Nova York. Pais um tanto quanto controladores, uma irmã mais nova com um QI elevadíssimo e ser calouro em um dos programas mais talentosos para o mundo corporativo exerceram uma pressão tão grande no garoto que ele por várias vezes pensou em suicídio.

Ao contrário de outras pessoas com problemas, Craig desiste da idéia e resolve procurar ajuda na ala psiquiátrica de um hospital. Ao ser admitido, descobre que o local destinado aos adolescentes está em reforma e os mesmos estão dividindo o mesmo espaço que os adultos.

Ainda apaixonado pela namorada do seu melhor amigo, ele conhece Noelle, uma menina da mesma idade, e Bobby, o qual torna-se mentor do rapaz durante a sua estada. Durante a semana, Craig descobre mais sobre si mesmo e que os seus problemas não são tão grandes assim como ele imaginava, além de lições sobre a vida, o amor e amadurecimento.

Mais um daqueles filmes que você para e pensa sobre o que realmente é um problema na sua vida e como, às vezes, é fácil solucioná-lo. Mas não precisa preparar a caixa de lenço, pois a história é leve e bem divertida. Bom filme!


Elenco: Keir Gilchrist, Zach Galifianakis, Emma Roberts, Viola Davis, Zoe Kravitz, Lauren Graham, Jim Gaffigan
Diretor: Anna Boden, Ryan Fleck
Gênero: Comédia Dramática
Ano: 2010


Por: Natália Farkatt
De: Natal-RN
Email: natalia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

Anúncios

Forrest Gump – O Contador de Histórias

18 jan
Para todo mundo que gosta um tantinho assim de cinema, sempre existe um ou outro filme que todo mundo já assistiu e fala bem… Menos você. Comigo não foi diferente (o único problema é que eu ainda não vi vários por pura preguiça) e um desses de muitos foi Forrest Gump.

“A vida é uma caixa de bombons, você nunca sabe o que vai encontrar”. É com essa frase que Forrest inicia a sua história, sentado num banco de uma parada de ônibus. Ele conta que nasceu com um problema nas pernas, o que o impedia de andar normalmente e também um QI abaixo da média, fazendo com que fosse alvo de chacotas entre os colegas da escola, porém, sempre foi incentivado e estimulado pela sua mãe a viver como uma criança qualquer.

Em sua primeira viagem de ônibus para a escola, nenhuma das outras crianças quis dividir um banco com ele, exceto Jenny, uma menina meiga, mas que nunca fica em casa por sofrer abusos constantes do pai alcoólatra. Sendo assim, Jenny apresenta a Forrest um pouco mais do que a vida tem a oferecer.

A medida que Forrest conta a sua história, os ouvintes na parada de ônibus variam. E durante a sua jornada, ele está presente em grandes momentos da história norte-americana, como a Guerra do Vietnã e o processo de impeachment do presidente Richard Nixon. Critica também o materialismo, pois mostra que existe a possibilidade de levar uma vida simples mesmo sendo milionário.

É um filme de longa duração, mas que te deixa tão envolvido na história (a qual, aliás, possui milhares de referências à histórica política, econômica e do entretenimento norte-americanos) que nem percebe o tempo passar. Dizem os especialistas que foi a melhor atuação da carreira de Tom Hanks. Se isso é verdade, eu não sei, mas que vale a pena o play, disso eu tenho certeza!

Bom filme!


Elenco: Tom Hanks, Rebecca Williams, Sally Field, Michael Conner Humphreys, Harold G. Herthum, George Kelly, Bob Penny, John Randall, Sam Anderson, Margo Moorer, Ione M. Telech, Christine Seabrook
Diretor: Robert Zemeckis
Ano: 1994
Gênero: Drama


Por: Natália Farkatt
De: Natal – RN
Email: natalia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

RESENHA: Um Estranho no Ninho – Ken Kesey

16 jan

            Ken Kesey é um escritor americano nascido em 1935 no estado do Colorado.  A sua obra mais famosa, Um Estranho no Ninho, é um clássico da contracultura dos anos 60 e foi inspirado nas experiências do autor como pesquisador em um centro psiquiátrico para veteranos de guerra.
O livro conta a história de R.P. McMurphy, que é preso e para escapar da cadeia, finge-se de louco e acaba por ser internado em um hospital psiquiátrico, acreditando que lá as coisas serão mais fáceis. Entretanto, ele descobre que os internos são controlados e reprimidos de maneiras terríveis.  Por se rebelar e tentar melhoras as coisas dentro do hospital, McMurphy se torna o ídolo de seus companheiros, mas acaba por atrair também a inimizade da opressora enfermeira Ratched.
            O livro tem a sua historia em primeira pessoa, contada pelo Chefe um índio que é um dos pacientes da instituição. É a partir de seus pensamentos e opiniões que se pode ver como realmente é o hospital e seus funcionários, incluindo a temida enfermeira-chefe.   O hospital nada mais é que uma miniatura da sociedade exterior a ele. Lá dentro, os diferentes e os mais fracos são oprimidos por uma força superior que os comanda. Suas individualidades são massacradas para que a “ordem” seja estabelecida.

“(…) Tudo aquilo que deveria ser normalizado para que o sistema social pudesse se reproduzir com indivíduos conformistas e obedientes”.

Eis que surge então o rebelde, personificado em McMurphy que se torna uma ameaça para a ordem estabelecida.  É ele quem mostra a realidade. Ele quem diz o que está errado com o sistema quem que esses indivíduos vivem. E é ele quem os inspira. Os faz passar a ter mais liberdade e coragem.  Esse rebelde é quem representam uma ameaça à sociedade e aos interesses dos que tem poder. E é por isso que a enfermeira Ratched se torna inimiga declarada de McMurphy.

            Para refletir. Para pensar. Para contestar. Um Estranho no Ninho foi considerado um dos livros percussores do movimento da contracultura e ele nos faz refletir sobre qual a verdadeira face da loucura e se a sociedade em que estamos inseridos realmente nos respeita.Mas, mesmo que McMurphy muitas vezes tenha um comportamento repreensível,  podemos nos inspirar nele para lutar pelo que acreditamos ser o certo e contra o que nos oprime.

Recomendação pessoal:
Um Estranho No Ninho, filme de 1975, dirigido por Milos Forman e estrelado por Jack Nicholson. Excelente adaptação da obra de Ken Kesey, o filme foi vencedor de 5 Oscars incluindo Melhor Filme. 

Por: Virgínia
De: Natal – RN
Email: virginia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

As Vantagens de ser Invisível

4 jan
Todo mundo sabe que ser adolescente não é fácil. É nessa época que as pessoas começam a lidar com a realidade de forma responsável e mais madura. É também a fase onde passam a entender a vida de forma mais clara.

Charlie é um garoto de 15 anos que, além de ser um calouro no ensino médio, saiu recentemente de uma crise de depressão, que ocorreu por conta do suicídio de seu melhor amigo e a morte da tia que ele mais gostava em um acidente de carro.

Ao entrar na escola, Charlie se torna um excluído, pois todas as “panelinhas” já estão formadas, e ele sente extrema dificuldade em encontrar novos amigos. Até que os meio-irmãos Charlie e Sam entram na sua vida e mostram que existe um lugar dentro da escola até mesmo para os mais “desajustados”, como eles gostam de chamar. A partir daí, Charlie parte para um mundo de descobertas sobre o amor, amizade e a vida real. 

“As Vantagens de ser invisível” é baseado no livro de mesmo nome, do autor/roteirista/diretor do filme, Stephen Chbosky e se consolidou no cenário indie com um roteiro divertido, delicado, inteligente e ao mesmo tempo, duro.

É o tipo de filme que não precisa de grandes efeitos especiais para se tornar marcante, os diálogos por si só já fazem isso, além de contar com uma trilha sonora fantástica, repleta de grandes artistas como David Bowie, New Order, The Smiths e Sonic Youth.

Bom filme!


Elenco: Emma Watson, Nina Dobrev, Logan Lerman, Paul Rudd, Ezra Miller, Mae Whitman, Melanie Lynskey, Kate Walsh
Diretor: Stephen Chbosky
Gênero: Drama
Ano: 2012


Por: Natália Farkatt
De: Natal-RN
Email: natalia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

A Estranha Vida de Timothy Green

7 dez
O que você faria se algo que você deseja muito aparecesse magicamente no jardim da sua casa? Como você lidaria com isso?

Cindy e Jim são moradores de uma pequena cidade do interior cuja principal fonte de trabalho da população é uma fábrica de lápis. Por muito tempo vieram tentando ter um filho, porém, sem sucesso. Após uma visita frustrada ao médico que cessou todas as esperanças de que um dia Cindy engravidasse, o casal resolve, por uma noite, ter um filho.

Escrevendo em pedaços de papéis características as quais gostariam que a criança tivesse, eles criam o filho que eles sempre quiseram: Honesto, doce, amável, inteligente, porém, sem ser aquele modelo de criança perfeita. Após juntar todos os papéis, o casal coloca o seu “filho” dentro de uma caixa e a enterra no jardim.

Após uma tempestade, Cindy e Jim se deparam com um menino, todo sujo de terra, dentro de sua casa. A princípio eles pensam que o garoto fugiu de casa, mas depois percebem que ele é um tanto quanto diferente pois ele tem folhas nas pernas.

A partir daí, eles formam uma família, onde Timothy não só aprende sobre a vida, mas também ensina não só aos seus pais, mas a todos na cidade lições sobre amor, auto-aceitação, bondade, humildade e o principal: a nunca desistir.

“A estranha vida de Timothy Green” passa de forma sutil e divertida, a mensagem de que as pessoas, passem elas muito ou pouco tempo em seu convívio, tem sim a capacidade de ensinar novos valores e agregar novas mudanças para você mesmo e para os outros.

Bom filme!


Elenco: Jennifer Garner, Joel Edgerton, Ron Livingston, Rosemarie DeWitt, Dianne Wiest, Michael Arden, Common, Lois Smith, Mattie Liptak, Cameron “CJ” Adams
Diretor: Peter Hedges
Gênero: Comédia Dramática
Ano: 2011

Por: Natália Farkatt
De: Natal – RN
Email: natalia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

Ruby Sparks – A Namorada Perfeita

16 nov
Todo mundo tem um modelo de homem ou mulher perfeitos. Mas você já imaginou como seria se tudo aquilo que sempre viveu somente na sua imaginação se tornasse realidade de um dia para o outro?

Calvin é um escritor que teve o seu primeiro momento de fama aos 19 anos. Porém, ele é um pouco problemático, pois nunca foi um adolescente descolado e tem dificuldades em se relacionar com o sexo oposto, além de estar cercado de pessoas que vivem dando palpite em sua vida, como o irmão mais velho, a mãe que virou hippie, o padrasto metido a artista e o seu agente.

No meio de um grande bloqueio de idéias para um próximo livro, Calvin começa a sonhar regularmente com uma moça e depois de um tempo, se descobre apaixonado por ela. Então, seja por um desses mistérios da natureza, poder da imaginação ou como você queira chamar, Ruby magicamente se materializa na vida de Calvin como se já estivesse lá a muito tempo.

A princípio, Calvin pensa que enlouqueceu de vez, porém, Ruby consegue ser vista e interagir com todos aqueles ao seu redor, cativando-os com o seu jeito meio moleca de ser e assim os dois iniciam um relacionamento cheio de altos e baixos. O que Ruby não sabe, é que Calvin consegue editar todo e qualquer traço da sua personalidade apenas com apenas algumas frases escritas em sua máquina de datilografar.

Dirigido pela mesma dupla de “Pequena Miss Sunshine”, “Ruby Sparks” é o típico filme indie-fofinho-que-todo-mundo-adora. Apesar de me lembrar bastante “500 dias com ela”, vale a pena o ingresso, a pipoca e arejar as idéias na sala de cinema.


Elenco: Zoe Kazan, Antonio Banderas, Paul Dano, Alia Shawkat, Deborah Ann Woll, Annette Bening, Steve Coogan, Chris Messina, Elliott Gould, Aasif Mandvi, Wallace Langham, Toni Trucks, Eleanor Seigler
Diretor: Jonathan Dayton, Valerie Faris
Duração: 106 min.
Ano: 2012


Por: Natália Farkatt
De: Natal-RN
Email: natalia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

The Rocky Horror Picture Show

2 nov
Se alguma vez você pensou em ser cineasta mas nunca soube como começar um filme, atenção para as seguintes dicas: Pegue um casal que se fica perdido numa estrada esquisita à noite e pedem socorro à uma mansão meio suspeita na beira da estrada. Pronto, agora misture estes ingredientes com um anfitrião cheio de idéias mirabolantes, músicas que grudam na cabeça e você terá um dos meus filmes de Halloween preferidos: The Rocky Horror Picture Show!

Brad e Janet noivaram recentemente e, após retornar do casamento de  uns amigos numa noite chuvosa, ficam presos no meio do caminho devido a um problema no carro. Então ele se lembram que um pouco mais atrás, viram um castelo um tanto quanto misterioso, porém, com várias motos estacionadas dentro. Resolvem então entrar e pedir para usar o telefone.

Ao chegar na mansão, eles são recebidos por várias criaturas estranhas: Uma governanta de cabelos rebeldes e um mordomo com uma grande corcunda e uma cara assustadora. O casal é convidado a entrar e se depara com uma festa e um anfitrião ainda mais estranhos. É então que eles conhecem o Dr. Frank-N-Furter, um cientista-et-travesti-bissexual que usa salto alto com cinta-liga e revela que está construindo um “homem para satisfazer as suas necessidades”.

A partir daí, Brad e Janet se aventuram dentro da mansão para tentar fugir das garras do Dr Frank. Tudo isso recheado de diálogos rápidos, referências artísticas e músicas contagiantes.  É o tipo de filme que vocêtem que dar mais de uma chance para descobrir todos os mistérios e referências escondidas a cada cena.

Então, let’s do the time warp again e bom filme! 



Elenco: Tim Curry, Susan Sarandon, Barry Bostwick, Richard O’Brien, Patricia Quinn, Little Nell, Jonathan Adams, Peter Hinwood
Diretor: Jim Sharman
Ano: 1975
Gênero: Comédia


Por: Natália Farkatt
De: Natal-RN
Email: natalia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉