Arquivo | Augusto dos Anjos RSS feed for this section

Versos Íntimos – Augusto dos Anjos

2 jan

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.

Somente a Ingratidão — esta pantera —
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,

Mora, entre feras, sente invevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
o beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga, 
Escarra nessa boca que te beija!


Recomendação Pessoal: Eu, o único livro de poesia do paraibano Augusto dos Anjos, publicado em 1912 no Rio de Janeiro. O autor mistura simbolismos e muitas vezes expressões cientificistas, utilizando alguns termos que causavam repulsa a grande parte dos leitores da época. Atingiu um grande sucesso apenas após a sua morte.

Por: Virgínia Fróes
De:Natal – RN
Email:virginia@revistafriday.com.br

Você já curtiu a Revista FRIDAY no Facebook? faça como eles 😉

Anúncios